Advogados de Trump apresentam argumentos de defesa no Senado

Chris Lefkow, Sebastian Smith
·3 minuto de leitura
David Schoen, um dos advogados de Donald Trump

Os advogados de Donald Trump apresentam nesta sexta-feira (12) no Senado os argumentos de defesa no julgamento político do ex-presidente dos Estados Unidos por "incitação à insurreição", e se espera que os republicanos votem majoritariamente pela absolvição.

"Estou ansioso para ver o que meus amigos republicanos farão, ver se vão se levantar", disse Biden aos jornalistas na Casa Branca.

Na quinta-feira, Biden disse que "alguns (legisladores) podem ter mudado de opinião" após as evidências apresentadas contra Trump, sugerindo que os senadores republicanos poderiam condenar o ex-presidente.

No entanto, até o momento não há indícios de que os democratas conseguirão convencer os 17 republicanos necessários para alcançar os dois terços de votos para condenar Trump, que continua mantendo o controle sobre a ala direita de seu partido.

Os democratas que atuam como procuradores encerraram na quinta-feira a apresentação das acusações após dois dias, com alguns momentos carregados de emoção. Agora os advogados do empresário republicano terão a oportunidade de responder.

Eles devem ser breves. "Não há razão para ficarmos aqui por muito tempo. Como disse desde o início, este julgamento nunca deveria ter acontecido", afirmou um dos advogados, David Schoen, ao canal Fox News.

Trump é objeto de um julgamento político, acusado de "incitação à insurreição" após sua derrota para Joe Biden nas eleições de 3 de novembro.

A acusação afirma que o ex-presidente começou a gerar o terreno fértil para o ataque contra o Capitólio em 6 de janeiro, com denúncias sem provas de fraude eleitoral em massa contra ele.

No dia 6 de janeiro, Trump discursou perto da Casa Branca e pediu a seus simpatizantes que seguissem até o Congresso, que certificaria a vitória de Biden no mesmo dia.

Uma turba invadiu o edifício do Congresso, em um ataque que terminou com cinco mortos, incluindo um policial.

Os acusadores insistem que Trump é "perigoso" e deveria ser impedido de voltar a concorrer à presidência.

Mas os advogados do ex-presidente estão dispostos a argumentar que seu discurso foi retórico e ele não pode ser responsabilizado pelas ações da multidão.

Também alegam que o julgamento político é inconstitucional porque Trump não está mais na presidência, embora o Senado tenha rejeitado este argumento na terça-feira.

- "Pacote de entretenimento" -

As imagens apresentadas pelos procuradores democratas mostraram uma multidão perseguindo oponentes de Trump, enquanto figuras importantes, incluindo o então vice-presidente Mike Pence, fugiam para um local seguro.

A defesa afirmará que o ex-presidente não afirmou de forma expressa para que os seguidores cometessem atos de violência.

Schoen criticou as imagens apresentadas pela acusação como um bom "pacote de entretenimento".

Mas o líder da parte acusadora, Jamie Raskin, disse que Trump estimulou o extremismo antes mesmo das eleições.

"Esta insurreição pró-Trump não surgiu do nada", disse Raskin. "Esta não foi a primeira vez que Donald Trump inflamou e incitou uma turba".

Ele afirmou que era imperativo condenar Trump e proibir que volte a concorrer à Casa Branca em 2024.

"Há algum líder político nesta sala que acredite que Donald Trump deixará de incitar a violência para conseguir o que deseja se voltar ao Salão Oval?", questionou Raskin. "Você apostaria o futuro de sua democracia nisto?"

Também rebateu a afirmação da defesa de que o então presidente estava exercendo seu direito constitucional à liberdade de expressão.

"Ninguém pode incitar uma insurreição", afirmou Raskin.

O senador republicano Bill Cassidy reconheceu que as imagens eram "fortes", mas disse que "ainda é preciso ver" como influenciarão o processo.

Outros senadores republicanos parecem decididos a não romper com Trump.

"O voto de 'não culpado' está crescendo", afirmou no Twitter o senador republicano Lindsey Graham, da Carolina do Sul. "Acredito que a maioria dos republicanos considerou ofensiva e absurda a apresentação" da acusação democrata.

bur-cl-sms/yow/yo/fp/aa