Afeganistão: a guerra explicada em 10 pontos

·7 minuto de leitura
Montagem de três imagens em primeiro plano, fotos de militares estrangeiros carregando um corpo na extrema e de combatentes talibãs marchando na província de Laghman à direita
Conflito teve início em 2001, após o ataque às torres gêmeas nos EUA

Após 20 anos de conflito, os Estados Unidos decidiram retirar definitivamente suas tropas do Afeganistão.

O cronograma anunciado inicialmente pelo presidente Joe Biden previa que todas as forças deixassem o país até o dia 11 de setembro.

Na quinta-feira (8/7), ele deu um prazo ainda mais próximo — 31 de agosto — para a retirada das tropas americanas, exceto por 650 militares que permanecerão para garantir a segurança da Embaixada Americana em Cabul, segundo a agência Reuters.

Enquanto isso, o Talebã vem mais uma vez conquistando espaço em território afegão, com a retomada de dezenas de distritos.

Os custos da guerra foram astronômicos, tanto econômicos quanto humanos. Mas os Estados Unidos chegaram a atingir seus objetivos na região?

Como o conflito começou

No dia 11 de setembro de 2001, uma série de ataques perpetrados em solo americano mataram quase 3 mil pessoas.

Aviões foram sequestrados e lançados contra o World Trade Center em Nova York — as chamadas Torres Gêmeas — e o prédio do Pentágono no condado de Arlington, Virgínia. Uma quarta aeronave caiu em um campo na Pensilvânia.

Osama Bin Laden, chefe do grupo terrorista islâmico Al-Qaeda, foi rapidamente identificado como responsável pelos atentados.

Os talebãs, radicais islâmicos que governavam o Afeganistão e protegiam Bin Laden, se recusaram a entregá-lo. Assim, um mês após o 11 de setembro, os Estados Unidos lançaram ataques aéreos contra país com o objetivo de derrotar os dois grupos.

E depois?

Dois meses após o início da ofensiva, o regime do Talebã entrou em colapso, e seus combatentes fugiram para o Paquistão. Isso não significou, entretanto, o fim do grupo.

Com o tempo, sua influência voltou a crescer e, em paralelo, os militantes passaram a lucrar centenas de milhões de dólares por ano com negócios que iam do comércio de drogas à mineração.

Soldados americanos em Kandahar, Afeganistão
Soldados americanos devem deixar o Afeganistão até setembro

Um novo governo apoiado pelos Estados Unidos chegou em 2004, mas o Talebã seguiu realizando ataques e atentados. Com a ajuda de soldados afegãos, as forças internacionais tentavam conter o grupo convalescente. O conflito teve um impacto enorme sobre os afegãos, tanto civis quanto militares.

Então, os problemas no Afeganistão começaram em 2001?

A resposta mais curta é "não". O país vivia em um estado quase permanente de guerra fazia décadas, ainda antes da invasão americana.

No final dos anos 1970, o Afeganistão foi um dos palcos dos conflitos entre os dois polos da Guerra Fria. Naquela época, o então governo comunista que comandava o país tinha apoio dos soviéticos, que chegaram a enviar tropas para lutar contra os combatentes do movimento de resistência, conhecidos como mujahideen e apoiados por Estados Unidos, Paquistão, China e Arábia Saudita, entre outros países.

O conflito se estendeu por mais de uma década. As tropas soviéticas se retiraram em 1989, mas a guerra civil continuou. Do caos que se seguiu surgiu o grupo chamado Talebã (palavra que pode ser traduzida como "estudantes").

Como o Talebã ganhou tanta influência?

O grupo avançou inicialmente na região de fronteira entre o sudoeste do Afeganistão e o norte do Paquistão no início da década de 1990 com a promessa de combater a corrupção e melhorar a segurança da população, que vivia no dia a dia os efeitos de uma guerra civil destrutiva.

Meninas em uma sala de aula em uma área controlada pelo Talebã
Meninas afegãs temem serem impedidas de estudar caso o Talebã retome o poder

Com o crescimento, o grupo passou a introduzir ou apoiar punições a contravenções baseadas na lei islâmica, como execuções públicas de assassinos e de adúlteros condenados e amputações para os considerados culpados do crime de roubo.

Os homens eram obrigados a deixar a barba crescer e as mulheres, a usar a burca, um véu que cobre o rosto e o corpo. Televisão, música e cinema foram proibidos e meninas com mais de 10 anos passaram a enfrentar cada vez mais dificuldades para que pudessem ir à escola.

O Talebã nunca realmente deixou de existir?

No decorrer das últimas décadas, o grupo chegou a passar por momentos de dificuldade que, entretanto, nunca foram duradouros.

Em 2014, no fim do que se desenhava como o ano mais sangrento no Afeganistão desde 2001, as forças internacionais, temendo permanecer no país indefinidamente, encerraram suas missões de combate, deixando para o Exército afegão a missão de lutar contra o Talebã.

Soldados americanos no Afeganistão. 2002 - 2020. Chart showing US troop levels in Afghanistan from 2002 to 2019 .
Soldados americanos no Afeganistão. 2002 - 2020. Chart showing US troop levels in Afghanistan from 2002 to 2019 .

Esse vácuo fortaleceu o grupo, que conseguiu se expandir territorialmente com ataques contra o poder público e alvos civis. Em 2018, uma investigação da BBC apontou que o Talebã estava ativo em cerca de 70% do país.

Quais os custos do conflito?

Mais de 2,3 mil militares americanos foram mortos e mais de 20 mil, feridos. Em termos econômicos, a fatura para o contribuinte nos Estados Unidos chega perto de US$ 1 trilhão (R$ 5,2 trilhões), apontam estimativas.

O maior impacto, contudo, deu-se sobre a população afegã: alguns levantamentos apontam que cerca de 60 mil membros das forças de segurança perderam a vida. Quase 111 mil civis foram mortos ou feridos desde que a Organização das Nações Unidas (ONU) começou a registrar sistematicamente os números de vítimas civis em 2009.

Soldado americano do 3º Regimento de Cavalaria presta homenagem durante memorial pela morte do Especialista (patente do exército americano) Wyatt Martin e do Sargento de Primeira Classe Ramon Morris no Campo Aéreo de Bagram, no Afeganistão, em 23 de dezembro de 2014
Conflito fez mais de 2 mil vítimas entre militares americanos

Um acordo com o Talebã

Em fevereiro de 2020, os Estados Unidos e o Talebã assinaram um "acordo para trazer a paz" ao Afeganistão que há anos vinha sendo discutido.

Segundo seus termos, os Estados Unidos e seus aliados militares da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) concordavam em retirar todas as tropas do território em troca do compromisso do grupo de não permitir que a Al-Qaeda ou qualquer outro grupo extremista operasse nas áreas que controla.

Como parte das negociações em 2020, o Talebã e o governo afegão concordaram em libertar parte de seus prisioneiros. Quase 5 mil militantes talebãs foram liberados ​​nos meses seguintes ao acordo.

Os Estados Unidos também prometeram suspender as sanções contra o grupo. O país negociou diretamente com o Talebã, sem o intermédio do governo afegão.

"Depois de todos esses anos, chegou a hora de trazer os nossos de volta para casa", disse o então presidente Donald Trump.

Todas as forças americanas estão se retirando?

No início de julho, todos os soldados americanos e de aliados internacionais membros da Otan deixaram a base aérea de Bagram, a principal base militar americana no Afeganistão.

De acordo com a agência Associated Press, contudo, cerca de 650 soldados americanos devem permanecer no país para fornecer proteção a diplomatas e ajudar a proteger o aeroporto internacional de Cabul, um hub de transporte vital para o país.

Qual a situação agora?

Desde que o acordo foi assinado, o Talebã tem dado sinais de que vem apostando em uma estratégia diferente. Os ataques complexos em centros urbanos e postos militares têm dado lugar a uma onda de assassinatos seletivos que tem aterrorizado os civis.

Os militantes têm avançado por vastas áreas do território, ameaçando derrubar mais uma vez o governo em Cabul após a retirada das tropas estrangeiras.

A preocupação com o futuro da capital tem crescido, mas o presidente do país, Ashraf Ghani, tem repetido que as forças de segurança do país são totalmente capazes de manter os insurgentes longe do poder.

A Al-Qaeda segue operando no Afeganistão, enquanto militantes do grupo autodenominado Estado Islâmico também realizaram ataques no país.

Duas décadas no Afeganistão: valeu a pena?

"A resposta depende do seu parâmetro", afirma o correspondente de segurança da BBC, Frank Gardner.

Fontes da área de segurança disseram à BBC que, desde o início da guerra, não houve um único ataque terrorista internacional bem-sucedido planejado a partir do Afeganistão.

"Assim, baseado apenas pela medida do contraterrorismo internacional, a presença das Forças Armadas estrangeiras teve sucesso em seu objetivo", completa Gardner.

Mulheres enlutadas cobrem o rosto em choque fora de um hospital após um ataque com caminhão-bomba em Cabul em 31 de maio de 2017
População civil segue sofrendo com os ataques e atentados do grupo

Duas décadas depois, porém, o Talebã está longe de ser derrotado e segue sendo um grupo com importante poder de combate.

Alguns relatos apontam que o último mês de junho foi um dos mais violentos no país desde a chegada da coalizão liderada pelos Estados Unidos. Centenas de vidas foram perdidas e importantes conquistas foram ameaçadas, já que muitas escolas, prédios do governo e parte da rede de energia foram danificados ou destruídos.

"A Al-Qaeda, o Estado Islâmico e outros grupos extremistas não desapareceram, eles estão se renovando, em parte estimulados pela partida iminente das últimas forças ocidentais remanescentes."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos