Afeganistão: número de vítimas de terremoto pode ultrapassar mil mortos

Pelo menos 920 pessoas morreram e 500 ficaram feridas em um terremoto que atingiu as províncias de Paktika e Khost , no sul do Afeganistão, na noite de terça para quarta-feira (22), pelo horário local.

O balanço, provisório, foi anunciado pelo porta-voz do governo, Mohammad Naeem, em uma mensagem no Twitter. "Várias casas foram destruídas e os habitantes estão dentro sem poder sair", acrescentou seu assistente, Bilal Karimi.

O tremor de 5,9 graus aconteceu a 10 km de profundidade, às 1h30, em uma área de difícil acesso perto da fronteira com o Paquistão, informou o Centro Geológico dos Estados Unidos (USGS). Um segundo tremor de 4,5 graus aconteceu na mesma área e com poucos minutos de intervalo.

"Pedimos às agências de ajuda que proporcionem assistência imediata às vítimas do terremoto para evitar um desastre humanitário", afirmou o vice-porta-voz do governo, Bilal Karimi. Ele indicou que várias casas foram destruídas e muitas pessoas estão presas nos destroços.

Yaqub Manzor, líder tribal de Paktika, disse que muitos feridos são do distrito de Giyan e foram transportados em ambulâncias e helicópteros. "Os mercados locais estão fechados e as pessoas correram para ajudar nas áreas afetadas", declarou.

Fotos de casas destruídas nesta região rural pobre e isolada foram divulgadas nas redes sociais. Vídeos mostram alguns moradores carregandos feridos até um helicóptero.

Os serviços de emergência do país, limitados há muitos anos em número de funcionários e capacidade, não estão preparados para enfrentar catástrofes naturais de grandes proporções.

Terremotos frequentes

Papa divulga mensagem de apoio

(Com AFP)


Leia mais

Leia também:
ONU faz pedido recorde de ajuda humanitária de US$ 5 bi para Afeganistão
Terremoto mata mais de 200 no Afeganistão e no Paquistão

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos