África do Sul impede leilão de chave da cela de Nelson Mandela

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • O governo sul-africano impediu o leilão da chave da cela onde Nelson Madela esteve preso no país;

  • Segundo o ministro da cultura do país, o item representa a dolorosa história da África do Sul e o triunfo do bem sobre o mal;

  • O leilão de outros itens relacionados ao primeiro presidente negro da África do Sul também foi suspenso.

A casa de leilão Guernsey’s divulgou nesta sexta-feira (7) que a chave da cela onde Nelson Mandela esteve preso na ilha Robben, na África do Sul, será retornada ao país. O item seria leiloado em Nova Iorque no final deste mês. Contudo, após protestos do ministro da cultura Nathi Mthethwa, a venda não acontecerá.

Leia também:

De acordo com o ministro, a chave representa a dolorosa história da África do Sul e também o triunfo do espírito humano sobre o mal

Para Mthethwa, o item é a prova do caminho para a liberdade do povo sul-africano.

Christo Brand, carcereiro de Mandela na prisão e amigo do líder político, foi quem colocou a chave à venda. Segundo a casa de leilões, a venda foi autorizada por Makawize Mandela-Amuah, filha de Mandela.

O item é um dos diversos relacionados ao primeiro presidente negro da África do Sul que se encontram no catálogo da Guernsey’s.

A maioria dos objetos foi dada por membros da família do líder político, de forma a gerar fundos para o financiamento de um museu próximo ao túmulo de Mandela.

Segundo informações no site da casa de leilões, a venda dos outros objetos, como roupas e presentes de líderes mundiais, também foi suspensa.

As informações são do Jornal O Globo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos