África é o berço de inovações tecnológicas difundidas pelo mundo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·8 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Diversidade
    Diversidade
Inovações como as mochilas que geram luz buscam resolver problemas sociais  (Foto: Reprodução/Rethaka)
Inovações como as mochilas que geram luz buscam resolver problemas sociais (Foto: Reprodução/Rethaka)
  • São vários os exemplos de técnicas e sabedorias surgidas em África e que revelam o pioneirismo técnico da população do continente.

  • Atualmente, no setor tecnológico, a maior conexão à internet de pessoas do continente propiciou que novos investimentos e avanços fossem criados.

Texto: Fernanda Rosário e Juca Guimarães

Os países que formam o continente africano são o berço de conhecimentos difundidos pelo mundo. A agronomia, a astronomia, a matemática, a engenharia e a escrita são exemplos de técnicas e sabedorias surgidas no continente e que revelam o pioneirismo de sua população.

Nos dias atuais, estão na África grandes inovações tecnológicas como trem-bala, mochila que gera luz, robôs para atendimento médico, startups, sondas espaciais e um dos primeiros sistemas de microfinanciamento e transferência de dinheiro via telefone no mundo. Os destaques também estão na área da cultura e do entretenimento. A indústria cinematográfica da Nigéria, apelidada de "Nollywood", é a terceira maior do mundo em número de produções.

De acordo com o mestre em História Social e doutorando pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), Carlos Machado, a mídia é uma das responsáveis por fazer com que os brasileiros se tornem ignorantes em relação à própria história. 

“Foi construída uma narrativa sobre a gente de que a nossa história começa na escravidão e isso ainda está muito forte na mentalidade de muitas pessoas aqui no Brasil. É importante trazer para as novas gerações e também as mais velhas que a nossa história é muito mais antiga”, destaca o autor do livro "Gênios da Humanidade - Ciência, Tecnologia e Inovação Africana e Afrodescendente", da editora DBA.

Segundo o professor, há um interesse político e econômico das nações desenvolvidas em evitar que países em desenvolvimento se agreguem em blocos.

“A união de países do Sul do Globo, sobretudo do Brasil com os países africanos, seria uma grande ameaça para a União Europeia e os EUA. Por isso, criou-se esse mito de que a África é uma região atrasada”, pondera o professor.

A África é pioneira no surgimento de muitas técnicas e saberes  (Foto: Arquivo pessoal/ Carlos Machado)
A África é pioneira no surgimento de muitas técnicas e saberes (Foto: Arquivo pessoal/ Carlos Machado)

Berço da inteligência

Há mais de cinco mil anos, as pirâmides do Egito eram construídas com milhões de blocos gigantes de calcário e granito com uma tecnologia avançada. Os povos do Nilo, no Antigo Egito, detiveram o pioneirismo no sistema de escrita paralelamente aos sumérios da antiga Mesopotâmia. O registro da história egípcia por meio dos hieróglifos remonta há seis mil anos.

O continente africano também abriga grandes gênios, como o cientista da computação nigeriano Phillip Emeagwali, eleito um dos maiores africanos de todos os tempos. Emeagwali foi responsável por conectar, em 1998, cerca de 65 mil computadores por meio da internet, gerando uma máquina capaz de realizar bilhões de cálculos por segundo.

O potencial de desenvolvimento tecnológico e as invenções que já fazem parte da realidade das pessoas são os assuntos tratados nos canais do Instagram "Eu Afro", e do Youtube , "Sou Afro", ambos do pesquisador angolano Rui Júnior, que mora no Rio de Janeiro. Os links e vídeos postados pelo angolano nos dois canais, onde possui quase 100 mil seguidores, mostram dados e inovações para, nas palavras dele, provocar reflexões sobre “realidade e percepção” no que diz respeito à tecnologia na África.

Maior acesso à internet

Atualmente, no setor tecnológico, a maior conexão à internet de pessoas do continente propiciou que novos investimentos e avanços fossem criados. Segundo a ONU, a África tem 11,5% do total de usuários mundiais da internet.

O cientista da computação angolano Balduino Artur explica que, em Angola, apesar de haver muito ainda a avançar, já é notório o maior acesso da população à internet, algo que não era comum há cerca de 10 anos.

 “As pessoas não tinham muito essa opção de ter um saldo de dados nos celulares. A recarga no celular era só para ligação, não tinha conexão à Internet. Há oito anos, você tinha que se deslocar em várias partes da cidade de Luanda, capital, para se conectar ao wi-fi e depois as pessoas começaram a ter acesso a isso a partir do celular mesmo com crédito de dados”, explica.

De acordo com Balduino, essa maior conexão abriu espaços para novidades. Com o exemplo de referências globais de startups, em Angola surgiram aplicativos e plataformas online como o Tupuca, em que o usuário consegue fazer pedidos de alimentos e em outras lojas disponíveis na ferramenta para entregas a domicílio.

As inovações no setor tecnológico no país também geram mais oportunidades de empregos. “Até mesmo a questão de você solicitar um serviço do Tupuca, que faz entrega, para você levar o item até essa pessoa, gera algum emprego, pessoas para darem manutenção naquele aplicativo”, detalha o cientista.

Balduíno também destaca que essas novidades no âmbito tecnológico aumentam a demanda por mais pessoas capacitadas para exercerem as profissões dessa área. “Sempre quando acaba surgindo alguma tecnologia e algum produto novo, isso demanda a necessidade de manutenção, de pessoas com conhecimento sobre a ferramenta, que fizeram curso de capacitação”, afirma.

De acordo com ele, o governo de Angola investe muito dinheiro em bolsas de estudos para estudantes cursarem faculdades com melhores estruturas fora do país e se capacitarem. “Hoje o governo começa a ter essa noção do poder da tecnologia, o que ela pode agregar na sociedade para o desenvolvimento. O país vem tendo essa visão de que o futuro, muitas vezes, passa pela educação”, complementa.

Ruanda é o país que mais se destaca em investir na capacitação de sua população com a construção de universidades e centros de desenvolvimento tecnológico. De acordo com Opai Bigbig, historiador, músico da banda Dois Africanos e conhecido como BIG, a tecnologia foi colocada no centro das atenções do país no momento de reconstrução após a destruição causada pelo genocídio de 1994, uma guerra civil motivada por um conflito étnico que fez quase um milhões de vítimas.

“O investimento no setor de tecnologia pelo governo é grande, com uma universidade altamente equipada, aliada ao financiamento de projetos. Hoje, Ruanda é um modelo para vários países africanos”, finaliza.

O desenvolvimento tecnológico propicia geração de empregos e maior capacitação  (Foto: Arquivo pessoal/ Balduino Artur)
O desenvolvimento tecnológico propicia geração de empregos e maior capacitação (Foto: Arquivo pessoal/ Balduino Artur)

Inovações pelo continente

O investimento em uma capacitação e educação propicia o surgimento de inovações que buscam diminuir as desigualdades sociais encontradas nos países. Na África do Sul, os empreendedores da empresa Rethaka, Reabetswe Ngwane e Thato Kgatlhanye, desenvolveram a mochila escolar "Repurpose Schoolbags", que gera luz a partir da energia solar.

Por meio de sacolas de plástico recicladas, eles constroem as mochilas com painéis solares que podem ser recarregadas enquanto as crianças estão estudando. Na volta para casa, a mochila pode auxiliar os alunos a andarem nas ruas escuras e a fazerem a lição durante à noite em suas comunidades que ainda não têm acesso à energia elétrica.

A iniciativa recebeu o Prêmio Anzhisha para os jovens africanos que desenvolveram soluções inovadoras para problemas sociais ou que iniciaram empresas bem-sucedidas em seus territórios.

Durante a pandemia de Covid-19, o Egito se destacou ao inovar levando robôs que atendem os pacientes, fazem testagem do vírus e uma série de tarefas médicas incluindo exames de sangue e raios-x. Dessa forma, os robôs auxiliam os médicos a se manterem protegidos da contaminação pelo novo coronavírus.

“Ao contrário do clichê generalista sobre o continente africano, que tem a fama de ser um lugar inativo nas inovações e invenções tecnológicas, a África tem também um papel central na aquisição, produção e aplicação de conhecimentos ligados à inovação tecnológica. As áreas mais tocadas são da telecomunicação, transporte, saúde, e agricultura”, destaca o historiador e músico BIG.

Um dos avanços citados por ele é o M-Pesa, criado em 2007 no Quênia e um dos primeiros sistemas de microfinanciamento e transferência de dinheiro via telefone no setor bancário do mundo. Hoje o sistema é usado em diversas localidades como Índia, Leste Europeu, África do Sul e Romênia. Em 2019, a ferramenta foi classificada entre os 10 projetos financeiros mais influentes dos últimos 50 anos pela Project Management Institute (PMI).

Negros e negras da diáspora

Os descendentes da diáspora negra africana que nasceram nas Américas também são responsáveis por grandes invenções tecnológicas. O engenheiro eletrônico Gerald Lawson, nascido nos EUA, inventou o primeiro videogame, o Channel F, para uso doméstico já com cartuchos intercambiáveis no começo dos anos 70. Também nos EUA, em 1961, o engenheiro eletrônico Otis Boykin patenteou um resistor eletrônico revolucionário que foi usado para a criação do marca-passo.

O cientista espacial Cheick Modibo Diarra, nasceu no Mali, e foi trabalhar no laboratório de desenvolvimento de propulsores da NASA (Agência Espacial dos EUA), nos anos 80, e liderou missões de exploração com sondas espaciais para observações em Vênus (de 1989 a 1994), em Júpiter (1989 a 2003) e nos pólos do Sol (1990 a 2009).

No Brasil, nas décadas de 40, 50 e 60 do século 19, a engenheira civil Enedina Alves Marques foi responsável pelo plano hidrelétrico do Estado do Paraná, incluindo a Usina Capivari. Foi a primeira mulher negra engenheira do Brasil, ao se formar na Faculdade de Engenharia do Paraná, onde entrou no final de 1939.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos