Agência da ONU afirma que Belarus cometeu 'atos ilegais' ao desviar avião

Belarus cometeu "atos ilegais" no ano passado, quando desviou um voo da Ryanair para deter um dissidente, afirmou nesta terça-feira a agência da ONU responsável pela aviação internacional.

Em 23 de maio de 2021, um voo da Ryanair que ia da Grécia para a Lituânia foi obrigado a pousar em Minsk. Autoridades bielorrussas prenderam dois passageiros: o jornalista dissidente Roman Protasevich e a sua companheira, Sofia Sapega, que estavam a bordo.

"O Conselho da Organização de Aviação Civil Internacional (Icao) concluiu ontem suas deliberações sobre o incidente de 2021 no espaço aéreo de Belarus no qual se viu envolvido o voo FR4978 da Ryanair, condenando as ações do governo bielorrusso ao cometer um ato de interferência ilegal", informou a organização, sediada no Canadá, que estudou as gravações de áudio do controlador aéreo de Minsk que supervisionava o voo afetado.

Segundo a organização, a ameaça de bomba usada como desculpa por Belarus para desviar o avião era "deliberadamente falsa". "A ameaça foi comunicada à tripulação do voo seguindo instruções de funcionários do alto escalão do governo bielorrusso."

O representante da Rússia (no conselho), aliada de Minsk, "expressou a firme objeção do seu Estado a identificar Belarus como origem da interferência ilegal", acrescentou a Icao, encarregada de promulgar as normas que regem o transporte aéreo civil mundial, mas sem o poder de impor sanções.

ast/jh/caw/dga/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos