'Agente' Maria Butina vira apresentadora de TV na Rússia

Maria Butina ao chegar em Moscou

De volta à Rússia, depois de ser libertada nos Estados Unidos, onde cumpriu pena de prisão por tentar se infiltrar na mídia política, a “agente” Maria Butina obteve nesta terça-feira seu próprio programa na rede pró-Kremlin RT.

A rede, financiada em parte pelo Estado russo, anunciou em seu site que Maria Butina “se juntou à equipe de RT, tornando-se apresentadora de um programa que comenta notícias da atualidade russa".

Um vídeo de apresentação do programa a mostra no estúdio, vestindo uma camiseta preta com o logotipo da RT e com os dizeres “Foreign agent” (“agente estrangeiro”).

A jovem, presa por quase 18 meses nos EUA e que retornou a Moscou em outubro, já havia aparecido na rede pró-Kremlin em 11 de dezembro, comentando as manifestações da oposição no verão (europeu) passado na Rússia.

Butina, detida em julho de 2018, é a única cidadã russa que foi condenada por interferência na política interna americana, embora seu papel pareça ter sido limitado.

Ele havia estabelecido vínculos com a National Rifle Association (NRA), um poderoso lobista de armas de fogo nos Estados Unidos e muito próximo ao Partido Republicano. Para fazer isso, usou sua própria organização russa para a defesa do porte de armas.

Seus contatos com a NRA permitiram que se aproximasse de Donald Trump durante a campanha presidencial de 2016.

Butina foi acusada de “conspiração para “promover os interesses da Rússia”, mas sua sentença refere-se apenas à falta de registro como agente estrangeiro, uma exigência da legislação americana.