Agentes das Polícias Civil e Militar encontram 10 facas com pessoas em situação de rua do Leblon

Uma operação integrada entre a 14ª DP (Leblon), o 23º BPM (Leblon) e agentes do programa Segurança Presente apreenderam aos menos 10 armas brancas e outros objetos perfurantes com 27 pessoas em situação de rua, na manhã desta terça-feira, em diversas ruas do Leblon, na Zona Sul do Rio. De acordo com a Polícia Civil, o objetivo da ação é combater crimes praticados nos bairros da Zona Sul. Todos os abordados foram cadastrados por agentes da Secretaria municipal de Assistência Social.

Novo laudo: Perícia confirma que enteado foi envenenado; Justiça prorroga prisão temporária de madrasta

A operação aconteceu nas Avenidas Ataulfo de Paiva e Afrânio de Melo Franco, na Rua José Linhares e nas Praças Cazuza e Antero de Quental. Além de outros pontos do bairro.

— Essa é uma operação integrada e continuaremos com essa investigação durante todo este ano. Vamos cadastrar, identificar e qualificar todos os suspeitos que frequentam os bairros de Ipanema e do Leblon. Estaremos com a delegacia aberta para que as pessoas nos procurem com informações que possam nos facilitar a identificar pessoas que cometem crimes na região — disse Daniela Campos Rodriguez Terra, delegada da 14ª DP.

'Faraó dos Bitcoins': Bens apreendidos pela PF não deverão ser usados para pagar credores

Das 27 pessoas abordades, 22 tinham passagem pela polícia por crimes como furto, roubo, latrocínio e Lei Maria da Penha.

— Estamos expandindo as ações para mais pontos da Zona Sul. Esse é um trabalho de inteligência e integrado para identificar criminosos infiltrados entre os moradores em situação de rua. Queremos garantir que as pessoas circulem pelos bairros com tranquilidade — afirmou Marcelo Maywald, superintendente da Zona Sul (SEGOV).

Crimes na Zona Sul

Houve uma explosão do número de furtos em Copacabana, área do 19º BPM (Copacabana), que registrou 737 furtos no mês março, um aumento de 167% quando comparado ao mesmo mês do ano passado.

Caso Henry: após interrogatório de Jairinho, juíza decide se casal irá a júri popular

Isso significa que, a cada 53 minutos, em média, uma pessoa tem um pertence tomado por criminosos em Copacabana, seja vítima de roubo ou furto, como mostram os dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) para março último. Além de Copacabana, só um dos 39 batalhões da PM fluminense — o 5º BPM, no Centro — registrou aceleração maior na incidência de furtos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos