Aglomeração de Bolsonaro, sem máscara, no Maranhão um dia após cepa indiana do coronavírus ser identificada gera críticas nas redes

·1 minuto de leitura

RIO — A maneira como o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saudou apoiadores no Maranhão nesta sexta-feira, dia 21 — por meio de aglomeração e sem uso de máscara — vem provocando críticas nas redes sociais não só por descumprir as medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia, como também por ocorrer logo um dia após a confirmação da cepa indiana do coronavírus no estado. Na quinta-feira, o governo maranhense anunciou que a variante foi idenficiada em tripulantes de um navio. Por isso, agora são monitoradas cerca de 100 pessoas que tiveram contato com pelo menos três pacientes que deixaram a embarcação para receberem atendimento médico. Um vídeo divulgado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) mostra seu pai em meio a uma multidão de fãs.

Em outro vídeo, postado pelo próprio presidente, também é possível observar ausência do distanciamento social recomendado para diminuir os riscos de disseminação da Covid-19.

Ao ignorar as medidas para evitar a propagação da doença que já matou mais de 440 mil pessoas no Brasil, críticas à conduta de Bolsonaro durante sua visita ao Maranhão movimentam as redes sociais, enquanto bolsonaristas apoiam a atitude dele, ainda que seja contrária às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Confira algumas das reações: