Agravaram-se em julho os incêndios na Amazónia brasileira

Os incêndios florestais na Amazónia brasileira aumentaram 8% em julho, relativamente a julho de 2021 e 13% nos sete primeiros meses de 2022.

Desde o início do ano, os satélites do Instituto Nacional de Investigação Espacial (INPE) detetaram 12.906 incêndios, na sua maioria ateados por agricultores e especuladores que, de acordo com especialistas, limpam terras para a agricultura.

Desde que Jair Bolsonaro tomou posse como presidente do Brasil em 2019, a desflorestação média anual da Amazónia aumentou 75%.

Julho é tipicamente o início da "época amazónica de incêndios". Este ano, a maioria dos fogos ocorreu na mesma altura dos grandes incêndios na Califórnia,e na Europa, onde as temperaturas bateram recordes.

"É apenas o início da estação seca amazónica, e já o o número de incêndios florestais criminosos infelizmente explode", disse à imprensa brasileira, Romulo Batista do Greenpeace Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos