Agressor mata funcionária da polícia com faca perto de Paris; Macron fala em terrorismo

Gonzalo Fuentes e Antony Paone
·1 minuto de leitura
Polícia cerca local de ataque a faca em Rambouillet

Por Gonzalo Fuentes e Antony Paone

RAMBOUILLET, França (Reuters) - Um homem matou uma funcionária administrativa da polícia a facadas quando ela entrava em uma delegacia de uma cidade-dormitório próxima de Paris nesta sexta-feira, e o presidente da França, Emmanuel Macron, disse que o país voltou a ser vítima de um ataque terrorista.

O agressor esfaqueou a mulher na garganta, disseram duas fontes de segurança.

Macron a identificou como Stéphanie e disse que a nação está ao lado de sua família.

"Não nos deteremos diante de nada em nossa luta resoluta contra o terrorismo islâmico", tuitou Macron em seu jato presidencial ao voar de volta do Chade.

O agressor foi morto a tiros por policiais.

O procurador antiterrorismo da França afirmou que está liderando a investigação porque o agressor havia verificado o local previamente e por causa do que disse durante o ataque.

Uma fonte judicial a par da investigação disse que ele gritou "Allahu Akbar", ou "Deus é o maior" em árabe.

O agressor era um cidadão tunisiano que morava na França com documentos legítimos, disseram as autoridades de segurança. A BFM TV noticiou que ele morou no país ilegalmente até obter um visto de residência, que venceria no final deste ano.

O primeiro-ministro, Jean Castex, disse que o país perdeu uma "heroína do cotidiano" em um ato de covardia infinita.