Agricultores sitiados da Ucrânia temem colheitas em tempo de guerra

FOTO DO ARQUIVO. Campo de trigo de inverno nos arredores de Bashtanka, região de Mikolaiv, enquanto os ataques da Rússia contra a Ucrânia continuam, Ucrânia

Por Conor Humphries

MYKOLAIV, Ucrânia (Reuters) - Enquanto montes de farelo de girassol de 10 metros de altura ardem entre as ruínas enegrecidas de um dos principais terminais agrícolas da Ucrânia, os agricultores desta região da linha de frente estão lutando para sobreviver a uma colheita sob o fogo russo.

Eles veem o bombardeio da Rússia à instalação portuária de Nika-Tera, na cidade de Mykolaiv, no sul, em 4 de junho, como o exemplo mais dramático de um ataque mais amplo a um pilar da economia da Ucrânia --e do mundo.

"A agricultura é um dos poucos setores empresariais que está funcionando... É claro que eles querem destruí-la. Eles querem acabar com esse fluxo de renda para o país", disse o agricultor Volodymyr Onyschuk perto de uma pilha de cartuchos russos em seus 2.000 hectare de trigo e girassol perto de Mykolaiv.

As safras estarão vulneráveis ​​ao fogo causado pelo bombardeio, disse ele, e isso pode ser um "inferno" para os agricultores quando a temporada de colheita começar nas próximas semanas.

Questionado sobre como os agricultores de Mykolaiv planejavam reduzir a exposição às ações russas, ele disse: "Vamos apenas sobreviver até a próxima colheita".

Desde a invasão em 24 de fevereiro, Kiev acusou repetidamente a Rússia de atacar a infraestrutura e a agricultura ucranianas para provocar uma crise alimentar global e pressionar o Ocidente.

Moscou, que chama sua guerra de operação militar especial, culpa as sanções ocidentais e as minas marítimas lançadas pela Ucrânia pela queda nas exportações de alimentos e aumento dos preços globais.

ATAQUE A PORTOS

Cinco projéteis atingiram um aglomerado de armazéns e esteiras transportadoras de grãos na fábrica de Nika-Tera, tornando um dos maiores terminais agrícolas da Ucrânia incapaz de carregar ou descarregar navios, disseram autoridades locais.

As explosões provocaram um grande incêndio em estoques de farelo de girassol. Elevadores de grãos no local permaneceram intocados.

"Eles estão tentando minar a segurança alimentar em todo o mundo", disse Georgy Reshetilov, primeiro vice-chefe da administração militar regional de Mykolaiv.

As instalações agrícolas da região sofreram perdas estimadas em 34 bilhões de hryvnia (1,16 bilhão de dólares), disse ele. Os locais atingidos incluem um grande produtor de polpa de tomate e um grande número de fazendas.

Os bombardeios estão alimentando o medo em um setor já prejudicado pelo bloqueio da Rússia ao Mar Negro, a principal rota para as vastas exportações agrícolas da Ucrânia.

Operadores de colheitadeiras estão hesitantes em trazer seus equipamentos para a região, temendo bombardeios e possíveis minas e munições nos campos, disseram os agricultores.

Alguns comerciantes de grãos estão relutantes em comprar estoques de agricultores, temendo que eles assumam a responsabilidade se suas instalações de armazenamento forem atacadas posteriormente.

"Ninguém pode garantir a segurança desta colheita em tempos de guerra", disse Reshetilov.

Os estoques de fertilizantes estão acabando e, sem compradores para as exportações de grãos, os agricultores disseram que teriam que lutar para arrecadar fundos para comprar mais suprimentos, mesmo que estivessem disponíveis.

(Texto de Conor Humphries)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos