Agência Internacional de Energia Nuclear em Zaporíjia para evitar desastre nuclear

Evitar uma catástrofe nuclear pior do que aquela que aconteceu em Chernobyl.

Este é o principal objetivo dos 14 inspetores da missão da Agência Internacional de Energia Atómica que chegaram, esta quarta-feira, à cidade de Zaporíjia, no leste da Ucrânia.

Aos jornalistas, o diretor da Agência explicou que e esta é uma missão técnica. Rafael Grossi sublinhou que o mais importante é preservar esta central nuclear, que é a maior da Europa.

O mundo olha com expectativa e apreensão, temendo fugas maciças de radiações.

A missão da ONU na central vai demorar alguns dias, mas Rafael Grossi não descarta a possibilidade de manter, ali, "uma presença contínua. No entanto, esta primeira fase, por assim dizer, vai demorar alguns dias".

Os inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica devem deslocar-se, pela primeira vez, à central nuclear, esta quinta-feira.

O complexo fica a cerca de 120 quilómetros da cidade, numa zona ocupada pela Rússia desde março.

Kiev apelou, nos últimos dias, para que Moscovo parasse de bombardear a estrada por onde é suposto passar a missão da ONU.

A central nuclear foi recentemente bombardeada, ficando danificada, aumentando assim os receios mundiais de um desastre nuclear. Rússia e Ucrânia trocam acusações.