AIEA pede zona de segurança em usina nuclear na Ucrânia

Usina Nuclear de Zaporizhzhia

Por Pavel Polityuk e Francois Murphy

KIEV/VIENA (Reuters) - A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) pediu nesta terça-feira que os combates sejam interrompidos em uma zona de segurança ao redor da maior usina nuclear da Europa, dizendo que seus especialistas encontraram grandes danos na usina que está na linha de frente da guerra na Ucrânia.

Um relatório há muito aguardado não atribuiu culpa pelos danos à usina nuclear de Zaporozhzhia -- Rússia e Ucrânia acusam uma a outra de bombardeio. Mas disse que, a menos que o tiroteio pare, há risco de desastre.

A usina, tomada pela Rússia logo após a invasão da Ucrânia, é controlada por forças russas, mas administrada por técnicos ucranianos. Ela fica na linha de frente em uma margem russa de um enorme reservatório com posições ucranianas do outro lado da água.

“Embora o bombardeio em curso ainda não tenha desencadeado uma emergência nuclear, continua a representar uma ameaça constante à segurança e proteção nuclear com potencial impacto em funções críticas de segurança que podem levar a consequências radiológicas com grande significado de segurança”, escreveu a AIEA.

"A AIEA recomenda que os bombardeios no local e em suas proximidades sejam interrompidos imediatamente para evitar mais danos à usina e instalações associadas, para a segurança da equipe operacional e para manter a integridade física para apoiar a operação segura. Isso exige acordo por todas as partes relevantes para o estabelecimento de uma zona de proteção e segurança nuclear."

Os inspetores disseram ter encontrado tropas e equipamentos russos na usina, incluindo veículos militares estacionados em salas de turbinas. Moscou nega as acusações de que usou a usina como escudo para suas forças, mas diz que tem tropas guardando-a.

“O pessoal ucraniano que opera a usina sob ocupação militar russa está sob constante estresse e pressão, especialmente com o pessoal limitado disponível”, disse o relatório da AIEA. "Isso não é sustentável e pode levar a um aumento do erro humano com implicações para a segurança nuclear".

Inspetores da AIEA liderados pelo chefe da agência, Rafael Grossi, enfrentaram bombardeios para cruzar a linha de frente e chegar a Zaporozhzhia na semana passada. Dois especialistas permaneceram para manter uma presença de longo prazo no local.

Mais cedo nesta terça-feira, houve explosões e a energia foi cortada na cidade ao redor da usina, Enerhodar, de acordo com Dmytro Orlov, o prefeito ucraniano que opera fora do território controlado pela Rússia. Moscou repetiu suas acusações de que as forças ucranianas estavam bombardeando a usina.

Kiev diz que é a Rússia que está encenando tais incidentes, para minar o apoio internacional à Ucrânia e como um possível pretexto para cortar a usina da rede elétrica ucraniana e roubar sua produção. A Rússia até agora rejeitou os apelos internacionais para retirar suas forças do local e desmilitarizar a área.

O relatório da AIEA listou áreas da usina que foram danificadas, incluindo um prédio que abrigava combustível nuclear, uma instalação para armazenar resíduos radioativos e um local que abrigava um sistema de alarme. Disse que a estação de energia foi cortada várias vezes de fontes de alimentação externas críticas para uma operação segura e pediu o fim de todas as atividades militares que possam interromper a energia.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, alertou na segunda-feira sobre uma quase "catástrofe de radiação" na usina e disse que o bombardeio da Rússia mostrou que Moscou "não se importa com o que a AIEA dirá".

A missão diplomática da Rússia em Viena, onde a AIEA está sediada, disse que projéteis ucranianos caíram perto da unidade de armazenamento de combustível da usina, armazenamento de resíduos radioativos sólidos e perto de uma das unidades de energia. Publicou imagens de impactos de projéteis para apoiar sua afirmação. A Reuters não pôde verificar as alegações de nenhum dos lados.