Ainda há bloqueios ilegais de bolsonaristas nas estradas em 8 estados, diz PRF

Bloqueios de bolsonaristas têm ocorrido desde domingo (31) após as urnas apontarem Lula (PT) como vencer das eleições 2022 - Foto: REUTERS/Roosevelt Cassio
Bloqueios de bolsonaristas têm ocorrido desde domingo (31) após as urnas apontarem Lula (PT) como vencer das eleições 2022 - Foto: REUTERS/Roosevelt Cassio

Mesmo após o presidente Jair Bolsonaro postar um vídeo pedindo que seus apoiadores liberassem as rodovias no país, manifestantes resistem em vários pontos de bloqueios ilegais. Segundo atualização da Polícia Rodoviária Federal, divulgada na noite dessa quarta-feira, ainda há interdições em oito estados, sendo Santa Catarina o estado com mais bloqueios, 39 no total. Em seguida está Mato Grosso, com 32.

Os bloqueios em rodovias têm sido feitos desde a noite de domingo, em protesto ao resultado da eleição presidencial, vencida por Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Pelo Twitter, a PRF informa que já conseguiu desfazer 776 manifestações ilegais em rodovias pelo país.

Segundo publicou o site Metrópoles, a PRF já multou cerca de dois mil motoristas até essa quarta-feira, num total de R$ 18 milhões em autuações em rodovias federais e estaduais.

Nessa quarta-feira, três dias após os bloqueios ilegais começarem pelo país, o presidente Jair Bolsonaro, derrotado nas eleições de outubro, gravou um vídeo em que pedia a seus apoiadores que liberassem as rodovias federais.

— Quero fazer um apelo a você. Desobstrua as rodovias. Isso aí não faz parte, no meu entender, dessas manifestações legítimas. Não vamos perder nós, aqui, essa nossa legitimidade. Outras manifestações vocês estão fazendo pelo Brasil todo. Em praças. Faz parte, repito, do jogo democrático. Fiquem à vontade — diz Bolsonaro no vídeo, publicado em suas redes sociais.

Na terça-feira, Bolsonaro fez sua primeira manifestação sobre o resultado da eleição, quase 45 horas depois da proclamação do resultado.

Em pronunciamento de dois minutos no Palácio da Alvorada, o presidente afirmou que a reação de apoiadores era "fruto de indignação e sentimento de injustiça de como se deu as últimas eleições", mas reafirmou que não poderia haver "cerceamento do direito de ir e vir".

No dia seguinte, protestos se espalharam por Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, entre outras cidades. No Rio, os manifestantes entoaram gritos de “intervenção federal” e carregavam faixas com palavras de ordem contra o Supremo Tribunal Federal (STF), além de pedidos por uma ação das Forças Armadas sobre o resultado das urnas.

Além das forças de segurança que estão agindo para desfazer os bloqueios ilegais de bolsonaristas nas estradas do país, torcidas organizadas de times de futebol também estão agindo, sempre que se deparam com interdições em seus caminhos.

Vídeos de torcedores em ação nas estradas se espalham pelas redes sociais. Num deles, uma organizada do Atlético-MG, que se dirigia à capital paulista para um jogo do time pelo Campeonato Brasileiro, acabou enfrentando os manifestantes e desbloqueando a passagem à força.

Nessa quarta-feira foi a vez de torcedores do Corinthians, que ia enfrentar o Flamengo no Maracanã, colocarem um fim a bloqueios ilegais por onde o ônibus da torcida passava.