AirPod Pro, da Apple, pode se tornar um negócio de US$ 6 bilhões em 2020

Foto: Getty

Os AirPods da Apple têm sido um grande sucesso para a empresa. A tecnologia vestível, ou - prepare-se para essa - ‘ouvível’, como alguns chamam, se tornou um item de moda e um símbolo de status.

Eles ajudaram a gerar uma categoria inteira de fones de ouvido "realmente sem fio" que estão sendo imitados pelos concorrentes. E os AirPods Pros, que oferecem um design aprimorado e uma tecnologia ativa de cancelamento de ruído, são os mais cobiçados de todos.

A demanda é tão alta que, de acordo com um analista, os AirPods Pros, que custam R$ 2.249 no Brasil, poderiam representar até US$ 6 bilhões em receita para a Apple em 2020. Mas a disseminação contínua do coronavírus talvez prejudique essas previsões.

Leia também

Quando o iPod da Apple foi lançado, os EarPods se mostraram incrivelmente importantes para tornar os dispositivos uma tendência. Os EarPods do iPhone eram igualmente importantes quando o aparelho chegou ao mercado. Era um meio para os usuários sinalizarem ao mundo que estavam no limite da tecnologia de consumo.

E isso aconteceu de novo com os AirPods. De acordo com Kyle McNealy, analista da Jefferies, o tráfego da página dos AirPods da Apple aumentou 454% ano após ano, no trimestre de dezembro, com 56% vindo da página dos AirPods Pros.

De fato, os pedidos on-line dos AirPods Pros encomendados pelo site da Apple são sempre atrasadas por pelo menos um mês. Os estoques das lojas da Apple também são vendidos durante o mês, embora, dependendo da sua localização, você possa encontrar alguns fones de ouvido em estoque.

Desde que os AirPods chegaram ao mercado, uma série de dispositivos que imitam o produto foram lançados com o mesmo design e estética, embora nenhum tenha correspondido à repercussão em torno do fone da Apple.

Apesar de os AirPods originais, que custavam R$ 1.349, e os AirPods com a case de carregamento sem fio, que custam R$ 1.679, certamente terem sido populares, os AirPods Pros parecem ter a chance de se tornar uma mina de ouro para a Apple.

"Estamos prevendo US$ 5,97 bilhões em receita gerada pelo AirPods Pro em 2020", escreveu McNealy, em nota. "A aplicação de uma margem bruta média de 32,5% e as taxas médias operacionais da empresa geram US$ 953 milhões em receita líquida. Isso se traduz em US$ 0,22 por ação e em um crescimento de 2% anual nos lucros da empresa em comparação com 2019".

O AirPods Pro tem uma nova case de carregamento sem fio que é um pouco maior. (Imagem: Howley)

A Apple não divulga especificamente os lucros dos AirPods, mas McNealy estimou que todos os modelos de AirPods faturaram US$ 7,25 bilhões em 2019. Portanto, ver os Pros sozinhos somarem US$ 6 bilhões em 2020 seria um salto.

Para efeitos de comparação, a Apple revelou que obteve receita de US$ 10 bilhões em todo o segmento de tecnologia vestível, produtos para a casa e acessórios, do qual os Pros fazem parte, no primeiro trimestre de 2020.

Preocupações com o coronavírus

Existe, no entanto, o potencial para a disseminação contínua do coronavírus inviabilizar algumas dessas vendas, limitando a produção das fábricas na China. De acordo com um relatório da Nikkei Asian Review, a Apple está pressionando os fornecedores chineses a produzirem cerca de 45 milhões de AirPods no primeiro semestre de 2020.

E embora muitos fornecedores devam voltar às atividades após o feriado do Ano Novo Lunar, que foi estendido por causa do vírus, talvez não haja componentes suficientes disponíveis para as fábricas atingirem o nível de produção que a Apple está buscando.

Com a demanda por AirPods e AirPods Pros já em alta, e o tempo de espera para os Pros se estendendo por um mês, qualquer atraso adicional pode ser problemático para a Apple.

As lojas da Apple também foram fechadas devido ao coronavírus e não esperam reabrir até 9 de fevereiro, o que pode impactar ainda mais as vendas dos AirPods.

No entanto, McNealy diz que não deve haver muito problema a longo prazo, pois muitos dos parceiros de fabricação da Apple estão localizados fora de Wuhan, na China, onde o vírus se disseminou.

Para a Apple, porém, o valor da cultura pop dos AirPods e AirPods Pros pode ser suficiente para manter os consumidores aguardando novas remessas ao invés de recorrerem aos dispositivos concorrentes.

Afinal, se você quiser ser visto usando AirPods, só há uma maneira de obtê-los.

  • Daniel Howley

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.