Líder republicano diz ter "garantias" de que Mueller não será destituído

Washington, 20 mar (EFE).- O presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o republicano Paul Ryan, afirmou nesta terça-feira ter recebido "garantias" de que o procurador especial para a investigação sobre a trama russa, Robert Mueller, não será destituído, após os crescentes rumores de que o presidente Donald Trump quer fazê-lo.

"Recebi garantias de que sua demissão nem sequer está em consideração. Temos um sistema baseado no estado de direito neste país, temos um sistema de justiça, e ninguém está acima desse sistema de justiça", disse Ryan em entrevista coletiva.

Embora a Casa Branca insista que a destituição de Mueller não é uma opção, os últimos movimentos e afirmações do presidente americano aumentaram a preocupação em Washington quanto à saída de Mueller de forma abrupta.

Trump intensificou seus ataques à investigação sobre a possível ingerência da Rússia nas eleições presidenciais nas quais saiu vencedor e inclusive no último fim de semana citou especificamente Mueller pela primeira vez em suas mensagens no Twitter.

Nos últimos dias, o multimilionário ampliou sua equipe jurídica, e o procurador-geral, Jeff Sessions, demitiu a apenas dois dias de se aposentar Andrew McCabe, ex-diretor do FBI.

Muitos republicanos veem a saída de Mueller como um grande risco político. Ainda assim, não estão impulsionando nenhuma legislação que o blinde de qualquer decisão presidencial a respeito.

Ryan, no entanto, insistiu que Mueller deve poder completar sua investigação e expressou sua confiança em que poderá fazê-lo.

"O conselheiro especial deve ser livre para continuar sua investigação até o fim sem interferência, absolutamente. Tenho certeza de que poderá fazê-lo", acrescentou Ryan, que ao contrário de outros líderes do seu partido, rejeita a opção de nomear um segundo procurador especial. EFE