Além do Alvorada: conheça as quatro residências da presidência da República

O Palácio da Alvorada foi envolto em uma polêmica a respeito do seu estado de conservação esta semana. A primeira-dama Janja Lula da Silva apontou uma série de problemas como infiltrações, mesas danificadas, vidros quebrados, pisos descascados e obras de arte danificadas no palácio. O local, no entanto, não é a única residência oficial à disposição da Presidência da República.

Prioridades do governo: Lula determina que Casa Civil liste ações prioritárias a serem entregues nos primeiros cem dias de governo

Aceno ao Congresso: os oito recados de Lula na primeira reunião ministerial

Palácio da Alvorada

O Palácio da Alvorada é a residência oficial do presidente da República. Ele é um dos mais importantes prédios modernistas brasileiros e o primeiro a ter sido construído em alvenaria na cidade de Brasília. Inaugurado em 1958, o então presidente Juscelino Kubitschek foi o seu primeiro morador.

Em seu espelho d'água, na área externa, há uma escultura de bronze chamada As Iaras, do artista plástico e escultor brasileiro Alfredo Ceschiatti. Iara é uma sereia que faz parte do folclore brasileiro. Ela é conhecida por, através de sua beleza e voz encantadoras, seduzir homens que estão nas margens dos rios, levando-os para debaixo d'água.

A parte residencial fica no primeiro andar, com quatro suítes e salas íntimas. No térreo, há alguns salões para compromissos oficiais do governo e, no subsolo, há um auditório com capacidade para 30 pessoas e uma sala de jogos, entre outros cômodos.

Palácio do Planalto

O Palácio do Planalto foi inaugurado dois anos depois do Alvorada, em 1960, e simbolizou a transferência da capital federal do Rio de Janeiro para Brasília. O prédio, um dos primeiros edifícios construídos na nova capital, é a sede do poder executivo federal, local onde está o gabinete do presidente da República.

O projeto arquitetônico é de Oscar Niemeyer e a rampa que dá acesso ao salão nobre é um de seus pontos mais marcantes. O parlatório, à direita da entrada principal, é o local onde o presidente se comunica com o povo na praça dos Três Poderes, como na inauguração de Brasília e nas posses.

Palácio do Jaburu

Ao lado da lagoa que lhe deu o nome e às margens do Lago Paranoá, o Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República, também foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, em 1973. Ele só foi ocupado, no entanto, quatro anos depois, em 1977, pelo então vice-presidente de Ernesto Geisel, Adalberto Pereira dos Santos.

Localizado entre os Palácios do Planalto e Alvorada, o Jaburu ocupa um terreno de 190 mil metros quadrados. O seu imenso jardim foi projetado pelo paisagista Roberto Burle Marx e, diferentemente do Alvorada, o Jaburu é um prédio exclusivamente destinado à moradia.

Granja do Torto

Localizada nos arredores do plano piloto, na Fazenda do Riacho Torto, a Granja do Torto é a casa de campo oficial da presidência da República. Seu primeiro morador, no entanto, não foi um presidente e nem um vice, mas o ex-deputado federal Iris Meinberg, um dos diretores da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), empresa pública responsável por planejar e construir a cidade de Brasília.

O terreno de 37 hectares tem um lago e córrego artificiais, uma piscina, um campo de futebol, uma quadra poliesportiva, uma churrasqueira, um heliponto e uma área de mata nativa. Além disso, também foi construída uma granja para fornecimento de ovos e frangos.

Quando esteve na presidência da República, de 1979 a 1985, o general João Figueiredo, último presidente da ditadura militar, residiu na Granja, onde criava cavalos. Figueiredo era aficionado pelo animal.