O lado obscuro da Coreia do Sul, descrita como 'modelo' a ser seguido pelo Brasil

Parasita, que fez história no Oscar, pinta retrato ácido das relações entre pobres e ricos no país

Na década de 1960, após o fim da guerra da Coreia (1950-1953), a economia da Coreia do Sul estava completamente arrasada. Seu PIB per capita (a riqueza produzida anualmente por um país dividido pelo seu número de habitantes) era a metade do brasileiro.

Bastou menos de uma década para que a Coreia do Sul igualasse a marca do Brasil. E, meio século depois, o PIB per capita sul-coreano é três vezes superior ao brasileiro.

Com investimentos maciços em educação e produtividade do trabalhador, a Coreia do Sul sempre foi considerada por muitos especialistas como um "modelo a ser seguido" pelo Brasil e outras nações em desenvolvimento. Um sinônimo de inovação tecnológica.

Atualmente, o país figura entre as 15 maiores economias do mundo. Ali, a expectativa de vida, já bastante alta inclusive para os padrões dos países desenvolvidos, deve chegar a 90 anos em 2030, superando a do Japão, atual recordista mundial. Quase metade da população sul-coreana tem Ensino Superior. A taxa de desemprego também é baixa: 3,6%.

No entanto, a jornada da Coreia do Sul rumo ao rol dos países mais ricos do mundo talvez não tivesse sido possível sem os bilhões de dólares injetados pelos Estados Unidos após o fim do conflito, em meio à Guerra Fria — a disputa com a extinta União Soviética por áreas de influência no mundo.

Tampouco sem a mão-de-ferro do Estado. Alçado ao comando do país por meio de um golpe militar, o então presidente Park Chung-hee (1963-1979) decidiu descartar as orientações americanas e investir o dinheiro na formação de grandes conglomerados controlados por um grupo restrito de famílias - os chamados chaebols (ou campeões nacionais).

Foram assim lançadas as bases para um amplo programa de desenvolvimento industrial, que tem em multinacionais como Samsung ou Hyundai alguns de seus principais expoentes - e que, segundo alguns especialistas, tem encorajado esquemas de corrupção.

Oscar

Parasita, o primeiro longa falado em outro idioma que não o inglês a ganhar o Oscar de Melhor Filme, lança luz sobre o legado que décadas de desenvolvimento deixaram à sociedade sul-coreana, ao pintar um retrato ácido das relações entre pobres e ricos no país.

O filme é uma crítica às nítidas diferenças de classe em uma sociedade capitalista e desigual, ainda que bem diferente do Brasil, onde mansões coexistem com favelas, e Estados Unidos, onde o 1% mais rico acumula 20,3% da riqueza do país, segundo dados da ONU. No Brasil essa relação mostra que o 1% mais rico detém 28,3% da riqueza total, a segunda maior concentração de renda, atrás apenas do Catar onde o 1% mais rico da população fica com 29% da riqueza nacional.

Na Coreia do Sul, o 1% da população detém apenas 12,2% da riqueza do país.

Apesar da menor desigualdade, muitos sul-coreanos não estão felizes com a situação atual: três em cada quatro jovens entre 19 e 34 anos querem deixar o país, de acordo com uma pesquisa publicada em dezembro pelo jornal The Hankyoreh.

Shin Hyun Bang, professor de Estudos Urbanos da London School of Economics (LSE), especializado em Ásia, explica que o país passou por grandes mudanças nos últimos 20 anos que ainda não foram assimiladas.

Depois de quase duas décadas crescendo anualmente em média 9% ao ano, a Coreia do Sul foi um dos países mais atingidos pela crise financeira asiática que eclodiu em 1997. No ano seguinte, seu PIB registrou uma queda de mais de 5%, segundo dados do Banco Mundial.

"Como o desenvolvimento do país foi muito rápido durante o século 20, há uma memória vívida entre as gerações mais adultas de oportunidades a que tiveram acesso nos anos 1970 ou início dos anos 1990, quando a economia se expandiu e os empregos ofereciam segurança.", diz Shin à BBC Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC.

"Mas, desde então isso mudou, tornando o nível de desigualdade maior que a meta", acrescenta.

Mais da metade da população acima de 65 anos na Coreia do Sul vive na pobreza

Gini

O coeficiente de Gini é geralmente a medida mais usada para avaliar a desigualdade em uma sociedade e consiste em um escala de 0 a 1, em que os resultados mais próximos a 0 indicam maior igualdade do que aqueles próximos a 1.

O da Coreia do Sul situa-se em 0,35, de acordo com a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Ou seja, abaixo de 0,53 do Brasil e 0,46 do Chile e do México ou mesmo de 0,39 dos Estados Unidos; embora ainda longe de 0,29 da França ou 0,26 da Dinamarca.

Apesar de ser mais igualitária do que países como o Reino Unido ou os EUA, a percepção dos sul-coreanos é outra e parte da razão está no fato de que, embora sua economia esteja em expansão no momento, seu crescimento é muito menor do que antes.

"Agora, a Coreia do Sul tem uma taxa de crescimento como a dos países desenvolvidos e isso significa que não está tirando as pessoas da pobreza da maneira que antes, então há um sentimento de que as pessoas estão imobilizadas", diz Owen Miller, professor de Estudos Coreanos na Escola de Estudos Orientais e Africanos (SOAS) da Universidade de Londres.

Excesso de graduados?

Após a crise, a Coreia do Sul experimentou uma flexibilidade trabalhista que, segundo Miller e Shin, levou a grandes diferenças de oportunidades entre gerações e a falta de estabilidade no emprego.

O desemprego no país é baixo, mas, entre os países da OCDE, a Coreia do Sul tem uma das maiores taxas de tensão no ambiente de trabalho: 51% dos trabalhadores dizem que trabalham mais do que deveriam.

"Eles passaram de uma situação em que a maioria tinha emprego estável em uma empresa para outra na qual todos trabalham com contratos temporários. Portanto, há mais insegurança, mais desigualdade e menor taxa de crescimento", explica Miller.

"Outra coisa que os sul-coreanos falam muito é a competição intensa: todo mundo quer ir para as melhores universidades, todo mundo quer que seus filhos se saiam bem. Tudo isso é psicologicamente prejudicial."

"Como o ingresso na universidade foi durante décadas objeto de desejo de muitos e a melhor maneira de conseguir um emprego estável, a Coreia do Sul tornou-se um dos países com as taxas mais altas de graduados em universidades do mundo", prossegue.

Como resultado, mais de 30% dos sul-coreanos têm um emprego para o qual estão superqualificados, de acordo com um relatório do Banco Central da Coreia publicado em 2019, e se mantêm nesta situação há pelo menos três anos.

A frustração gerada por essa falta de equilíbrio é sentida especialmente entre os jovens, como destacou Shin: "Há mais empregos cuja demanda cresce: aqueles com qualificações mais baixas, em fábricas, etc. E é por isso que vemos a imigração de trabalhadores estrangeiros na Coreia do Sul."

"Mas acho que esses empregos não atendem às expectativas da geração mais jovem, que possui diploma universitário. Quem estudou na faculdade espera obter determinadas posições", pondera,

O governo reagiu implementando programas para exportar profissionais como o K-move, uma iniciativa para ajudar jovens sul-coreanos a encontrar "empregos de qualidade" no exterior. No entanto, o número de funcionários que o programa envia ainda é baixo: menos de 6 mil em 2018.

Como disse o vice-reitor do Instituto do Banco Asiático de Desenvolvimento Kim Chul-ju no ano passado à agência de notícias Reuters, "a fuga de cérebros não é uma preocupação imediata do governo. Em vez disso, é mais urgente evitar que eles caiam no pobreza ".

Coreia do Sul tornou-se sinônimo de inovação tecnológica

'Colheres de ouro, prata e barro'

Dada a educação em excesso e as poucas oportunidades de emprego para os profissionais, outro problema bastante acentuado diz respeito à falta de mobilidade social: em uma sociedade extremamente estratificada, quem nasce em família com posses e recursos, já larga na frente.

"Em outras palavras, ter uma "colher de ouro" (expressão equivalente a "berço de ouro") se refere a tudo que alguém pode disfrutar de seus pais, em termos de riqueza e capital social que podem herdar", diz Shin.

"Por outro lado, ter 'colher de barro' refere-se à ausência dessa herança. Se você tiver uma colher de barro, não terá o tipo de rede social que teria se seus pais tivessem boas conexões", acrescenta o especialista.

A ausência de oportunidades iguais para as gerações jovens é uma questão muito presente na Coreia do Sul, onde as pessoas dizem que a colher com que se nasce (prata para a classe média) influenciará seu progresso em suas carreiras ou sua capacidade de comprar o primeiro imóvel.

Na pesquisa publicada pelo The Hankyoreh, 85% dos jovens concordaram com a seguinte declaração: "Pessoas que nasceram pobres nunca serão capazes de competir com pessoas que nasceram ricas".

"Na Coreia do Sul, há um sentimento de que ou você é um vencedor ou um perdedor", diz Miller.

"Se você estudar muito e ingressar em uma boa universidade, conseguirá um emprego decente e será um vencedor. Se não o fizer, ficará completamente marginalizado e será um perdedor".

"Por isso, a Coreia do Sul é o país com os maiores gastos familiares em educação no mundo", acrescenta.

"Enquanto a maioria estuda em escolas públicas, todos recebem educação fora do sistema escolar, quase sem exceção. Se você é de uma família pobre, pode dar-lhes algo, mas não será suficiente para que estejam no mesmo nível que o filho de uma família de classe média ou rica", diz.

O esforço nos estudos não é mais visto como chave para ascensão social: "As pessoas sentem que isso não é mais possível, que a classe média e os ricos monopolizaram boas universidades, boas escolas e acesso a bons empregos".

Até recentemente, acrescenta Miller, a Coreia do Sul era uma sociedade "relativamente plana": "Até a década de 1990, a percepção era de que todos estavam brigando juntos. Havia alguns ricos, mas não eram super-ricos ostentadores".

Tal fenômeno é retratado, por exemplo, na canção Gangnam Style, que rodou o mundo e faz alusão a um bairro luxuoso da capital Seul.

A OCDE, que reúne os países mais ricos, aponta a Coreia do Sul como um de seus membros com maior desigualdade de renda, onde os mais ricos ganham quatro ou cinco vezes mais do que os mais pobres.

Trata-se de um patamar muito próximo ao do Reino Unido e da Dinamarca, mas com nível de desigualdade bem inferior ao de outros membros, como Chile (23,7%) e EUA (20,2%).

A desigualdade é mais claramente notada na população acima de 65 anos. Segundo a OCDE, metade dos idosos vive na pobreza, o nível mais elevado de todos os países que formam a organização.

Parasita fala sobre desigualdade social na Coreia do Sul

Questões globais

Um dos aspectos que mais simbolizam as diferenças entre as classes no filme é a moradia.

O longa chamou atenção para os banjiha, um tipo de porão inicialmente pensado como bunker para emergências e cujo uso para habitação foi legalizado pelo governo após a crise imobiliária dos anos 1980.

Como explicou o diretor Bong Joon-ho em uma entrevista ao site Indiewire publicada em outubro: "Quanto mais pobre você é, menos acesso terá à luz do sol e é assim na vida real: eles têm acesso limitado às janelas".

E aos quartos: a Coreia do Sul está entre os países da OCDE com o menor número médio de aposentos por pessoa (1,4). Mas em termos de acesso à moradia, a entidade posicionou o país em 2017 como um dos melhores.

Por outro lado, um relatório sobre o país publicado no ano seguinte pela relatora especial das Nações Unidas sobre direito à moradia adequada, Leilani Farha, informou que: "a falta de moradia acessível é uma barreira substancial para se viver em uma propriedade adequada".

Os aluguéis não abocanham apenas 50% dos salários sul-coreanos, mas muitas das casas são "tão pequenas que, mesmo com apenas um ou dois moradores, elas já estão superlotadas", disse o estudo.

A isso se acrescenta que o tipo mais comum de aluguel na Coreia do Sul é o chonsei, pelo qual os inquilinos depositam de imediato uma quantia que varia de 50% ou 70% do valor total do aluguel, normalmente por um período de dois anos. O proprietário investe esse dinheiro e, no final do contrato, devolve a quantia inicial integralmente aos inquilinos, mas mantém para si o retorno sobre essa aplicação. Durante o período, o inquilino não precisa pagar aluguel mensal.

Mas o que parece à primeira vista um ótimo negócio, pode trazer riscos. Como a grande maioria dos sul-coreanos não tem o dinheiro à vista, precisa tomar um empréstimo bancário. Ou seja, tem que pagar juros sobre o valor emprestado.

Acesso a habitação é um problema na Coreia do Sul

Moradia cara

Para se ter uma ideia, em 2014, o valor médio do chonsei chegou a US$ 300 mil (R$ 1,3 milhão em valores atuais).

Os banjiha eram bunkers que começaram a ser alugados como apartamentos devido à falta de moradias.

Por que, então, a OCDE coloca a Coreia do Sul em um bom lugar nesse sentido?

No resto do mundo, a habitação também se tornou um problema.

Os preços de venda e aluguel não param de subir em muitos países da Europa, onde adultos são obrigados a compartilhar um apartamento porque não podem pagar o valor integral do aluguel. Em cidades como Londres, alguns imóveis não têm sala de estar porque elas são transformadas em quartos.

Os jovens com diploma universitário que acabam subempregados também são um perfil cada vez mais visto ao redor do planeta. Na Espanha, por exemplo, representam 37,6%, segundo dados do Eurostat, o órgão estatístico da União Europeia.

A América Latina também experimentou um crescimento moderado nos últimos anos - o combate à crescente desigualdade social foi uma das bandeiras dos protestos que eclodiram no Chile no fim do ano passado.

Shin, da LSE, diz acreditar que o segredo do sucesso do Parasita é retratar um problema "universal": "A popularidade do Parasita não tem a ver com a realidade da Coreia do Sul, mas com a realidade do mundo".

Com reportagem de Stefania Gozzer, da BBC News Mundo

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=aQRlD3diHfc

https://www.youtube.com/watch?v=sianXi-mS4s

https://www.youtube.com/watch?v=ZQgR2utCYEU