Al Wakra: 'Búzios' do Catar exala aromas e essência local e é refúgio de agito da Copa; conheça

O peixe fresco sobre o gelo pronto para fazer na hora indica a proximidade do mar. Os incensos e aromas de especiarias anunciam os temperos locais. Enquanto homens e mulheres devidamente trajados com roupas da cultura local conversam em grupos separados por gênero entre crianças brincando. Al Wakrah é o Catar na essência afastado do agito trazido pela Copa do Mundo.

Colada em Doha, a região é uma antiga vila de pescadores, próxima do estádio Al Janoub, que carrega em seu design a tradição local: a arquitetura é inspirada nos dhow, barcos usados para pesca, alguns "estacionados" na areia da orla para decoração.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

Você escala: quais os seus 11 titulares do Brasil na Copa do Mundo

Guia interativo da Copa do Mundo: saiba tudo sobre os 831 jogadores que disputam o Mundial

Barraquinhas populares

"Aqui é o lugar que as pessoas que vivem aqui costumam vir durante o dia e de noite. Não há muitos turistas", explica um garçom de um restaurante mais popular e tradicional, que combina refeições típicas com uma barraquinha na frente para a venda de paratha, um pão indiano com recheios salgados e doces.

Acesso difícil

Ao cruzar o tradicional mercado (Souq), que mais parece um labirinto de prédios baixos e feitos de uma espécie de argila, o visitante não se guia pelo barulho dos grandes grupos de estrangeiros que lotam o espaço similar no Centro de Doha, e separado do mercado mais isolado pelo aeroporto. Nessa área não é possível chegar de metrô, apenas ônibus ou carro, o que afasta as multidões.

Em Al Wakrah, o silêncio desperta a curiosidade para as lojas de sementes, essências e até roupas femininas. Na chegada à orla, um passeio de pedra e uma faixa de areia dão a sensação de estar na Região dos Lagos, no Rio, mas na paz de uma orla Bardot, em Búzios, na baixa temporada, e não no carnaval de Cabo Frio.

A oferta de restaurantes com fotos de pratos na porta indicam que há, sim, um apelo turístico mínimo. Inclusive um com Copacabana no nome. Com a diferença de o público alvo ser mais os imigrantes que vivem no Catar. Além da culinária síria, há diversas carrocinhas com chips de batata servidas com ketchup e furadas por um palito, sucesso entre todas as idades.

Ao olhar o horizonte, o visitante de Al Wakra até esquece que está em uma ditadura, tamanha a sensação de liberdade. "Ame para a humanidade o que você ama para si mesmo", diz a frase em outdoor luminoso, que é regra de ouro do islamismo.

Área de lazer e bate papo

Uma tenda gigante abriga tapetas e cangas para famílias descansarem e papearem. O que permite conversas menos tímidas de mulheres espalhadas pelo local ou em volta de uma mesa para beber um refrigerante.

São vários os grupos com rostos descobertos e apenas o lenço sobre a cabeça. Os patriarcas, por sua vez, seguem acomodados nos restaurantes mais chiques do bairro, raramente acompanhados de crianças.

O futebol é transmitido em canais piratas, em espanhol ou inglês. A atenção do povo local aos jogos é parcial. Mas na entrada do mercado, olhares atentos na televisão para acompanhar o empate entre México e Polônia. Na praça ao fim do percurso, crianças jogam bola, mulheres sorriem, e bandeiras dos países são vendidas em barraquinhas de ambulantes. Afinal, é Copa do Mundo.