Premiê britânica anuncia que ativará o "Brexit" em 29 de março

Londres, 20 mar (EFE).- A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, ativará o "Brexit", a saída do país da União Europeia (UE), no dia 29 de março, informou nesta segunda-feira o governo britânico.

Um porta-voz da residência oficial de Downing Street indicou que a chefe de governo comparecerá ao parlamento nesse mesmo dia para informar que invocou o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que inicia o processo formal de negociações para a saída do bloco europeu.

A premiê enviará uma carta oficial ao Conselho Europeu para comunicá-lo sobre a intenção do Reino Unido de sair do bloco e iniciar as negociações, acrescentou a fonte.

Segundo Downing Street, espera-se que este período de conversas termine com a saída do Reino Unido da UE em 29 de março de 2019, quase três anos depois que os britânicos votaram no referendo em favor da saída do "clube" comunitário.

May informará aos deputados sobre a ativação do artigo 50 em uma declaração ao término da sessão semanal de perguntas à primeira-ministra na Câmara dos Comuns, que acontece todas as quartas-feiras entre as 12h e 12h30 GMT (9h e 9h30 de Brasília).

De acordo com fontes oficiais britânicas, o embaixador do Reino Unido na UE, Tim Barrow, informou esta manhã ao gabinete do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, sobre os planos da primeira-ministra em relação ao artigo 50.

Espera-se que Tusk responda à comunicação formal do Reino Unido em um período de 48 horas.

O ministro do Reino Unido para a saída da UE, David Davis, disse hoje em comunicado que o povo britânico "tomou a decisão histórica de sair da UE. Na próxima quarta-feira, o governo cumprirá com essa decisão e começará formalmente o processo para ativar o artigo 50".

Davis, que ficará responsável pelas futuras negociações sobre a saída do Reino Unido da UE, ressaltou que esta será a negociação "mais importante" para o país em "uma geração".

"O governo é claro sobre seus objetivos: quer um acordo que funcione para cada nação e região do Reino Unido e certamente para toda a Europa. Uma relação nova, positiva entre o Reino Unido e nossos amigos e aliados na União Europeia", acrescentou o ministro.

A primeira-ministra invocará o artigo 50 depois que o parlamento de Westminster aprovou no último dia 13 a lei que o autoriza e que a rainha Elizabeth II, a chefe de Estado britânica, sancionou na quinta-feira passada. EFE