1 / 5

Albinos são mortos para que feiticeiros façam poções da sorte com ossos

Foto: AP Photo/Tsvangirayi Mukwazhi

Albinos são mortos para que feiticeiros façam poções da sorte com ossos

Albinos em vários países africanos há muito tempo foram caçados, atacados e até mesmo mortos por suas partes do corpo. Acreditava-se que, com o corpo deles, feiticeiros poderosos poderiam fazer poções para dar boa sorte. Recentemente, a nação sul-africana Malawi viu um aumento devastador nestes ataques.

Um novo relatório da Anistia Internacional revela que este mês de abril foi mais letal ainda, com quatro albinos malawianos assassinados, incluindo um bebês.

O relatório concluiu que desde 2014, 18 albinos foram mortos, com outros cinco sequestrados e ainda desaparecidos. Ao todo, 69 casos criminais com vítimas albinas foram registrados.

‘POÇÕES’

A maioria destas vítimas é morta para que os seus ossos ou órgãos internos possam ser mantidos como testemunhos de boa sorte ou, mais provavelmente, vendidos a feiticeiros no Malawi ou em alguns países vizinhos, incluindo Moçambique.

Davis Fletcher Machinjiri, de 17 anos, foi assistir a um jogo de futebol quando foi atacado por quatro homens que o levaram a Moçambique e o mataram. A polícia do Malauí disse que “os homens cortaram seus braços e pernas e removeram ossos. Eles então enterraram o resto de seu corpo em uma sepultura rasa. ”

Com tantos albinos brutalmente mortos, a Anistia Internacional escreve que “7 mil a 10 mil pessoas com albinismo do Malawi vivem com medo de perder suas vidas para gangues criminosas que, em alguns casos, incluem membros próximos da família”.

Além do medo de perder suas vidas, as mulheres albinas também enfrentam a ameaça de estupro como resultado das crenças locais de que ter relações sexuais com uma pessoa com albinismo irá curar o HIV / AIDS.