Alckmin é vacinado, comemora com cafezinho e não comenta disputa no PSDB aberta por Doria

FÁBIO ZANINI
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 01.06.2019 - Entrevista do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 01.06.2019 - Entrevista do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-governador Geraldo Alckmin, 68, recebeu sua primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta quarta-feira (10). Médico, ele faz doutorado e frequenta o Hospital das Clínicas, onde dá cursos e atende.

"Estou me dedicando à medicina, estou até terminando o doutorado, hoje [quinta] é até meu dia no Hospital das Clínicas, dando aula. Vou falar de política só daqui a uns três meses", diz o tucano à reportagem.

Ele não quis comentar a crise deflagrada no PSDB pelo atual governador de São Paulo, João Doria, cujos aliados iniciaram articulação para que ele assumisse a presidência do partido e geraram imediata reação de Bruno Araújo, que deseja ser reconduzido ao cargo, e de Eduardo Leite, governador do RS, que deseja ser o candidato tucano ao Planalto em 2022.

"Tirei um período dedicado à medicina e ao magistério, então não tenho participado muito [da política]. Não tenho comentado, tenho observado", disse Alckmin.

"Como eu estou no Hospital das Clínicas, médico tem prioridade. Tomei a vacina no Conselho Regional de Medicina [Cremesp]. Foi a turma de 65 a 70 anos. Tomei a Coronavac. É a que tem no dia. Só fiquei sabendo depois que tomei. É importante, estamos em contato direto com pacientes no HC", explicou.

"A gente se sente superbem. A vacina é uma segurança enorme. Tanto que eu estava com amigos e falei 'vamos na esquina comemorar tomando um cafezinho'. O Cremesp fica no centro, então fomos ali do lado. Agora tenho que tomar a segunda. Já está marcada para 3 de março", continuou Alckmin.

O ex-governador ainda exaltou o que apontou como grandes pontos de virada na medicina contemporânea.

"No Brasil, as pessoas viviam em torno de 45 anos de idade. Hoje, já passou de 75. Três fatos tiveram papel fundamental: água tratada, vacina e antibiótico. Essas três coisas quase dobraram a expectativa de vida no mundo".