Alckmin é vacinado, comemora com cafezinho e não comenta disputa no PSDB aberta por Doria

FÁBIO ZANINI
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 01.06.2019 - Entrevista do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 01.06.2019 - Entrevista do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), 68, recebeu sua primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta quarta-feira (10). Médico, ele faz curso de acupuntura no Hospital das Clínicas e, por isso, atende no ambulatório. Ele também dá aulas na Uninove (onde faz doutorado) e na Unimes (Universidade Metropolitana de Santos).

A Prefeitura de São Paulo começou na terça-feira (9) a vacinação de profissionais de saúde autônomos com mais de 60 anos.

"Estou me dedicando à medicina, estou terminando o doutorado, e hoje [quinta-feira] é meu dia no Hospital das Clínicas. Vou falar de política só daqui a uns três meses", diz o tucano à reportagem.

Ele não quis comentar a crise deflagrada no PSDB pelo atual governador de São Paulo, João Doria, cujos aliados iniciaram articulação para que ele assumisse a presidência do partido e geraram imediata reação de Bruno Araújo, que pretende ser reconduzido ao cargo, e de Eduardo Leite, governador do RS, que deseja ser o candidato tucano ao Planalto em 2022.

"Tirei um período dedicado à medicina e ao magistério, então não tenho participado muito [da política]. Não tenho comentado, tenho observado", disse Alckmin.

"Como eu estou no Hospital das Clínicas, médico tem prioridade. Tomei a vacina no Conselho Regional de Medicina [Cremesp]. Foi a turma de 65 a 70 anos. Tomei a Coronavac. É a que tem no dia. Só fiquei sabendo depois que tomei. É importante, estamos em contato direto com pacientes no HC", explicou.

"A gente se sente superbem. A vacina é uma segurança enorme. Tanto que eu estava com amigos e falei 'vamos na esquina comemorar tomando um cafezinho'. O Cremesp fica no centro, então fomos ali do lado. Agora tenho que tomar a segunda. Já está marcada para 3 de março", continuou Alckmin.

O ex-governador ainda exaltou o que apontou como grandes pontos de virada na medicina contemporânea.

"No Brasil, as pessoas viviam em torno de 45 anos de idade. Hoje, a expectativa de vida já passou de 75. Três fatos tiveram papel fundamental: água tratada, vacina e antibiótico. Essas três coisas quase dobraram a expectativa de vida no mundo".