Alckmin chamou Lula de 'fujão' por faltar a debate em 2006

***FOTO DE ARQUIVO*** TABOÃO DA SERRA, SP, 10.09.2022 - O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** TABOÃO DA SERRA, SP, 10.09.2022 - O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apoiadores de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na atual eleição não pouparam críticas a ele da última vez que decidiu não comparecer a um debate presidencial, em 2006. O petista deve fazer o mesmo no encontro programado para o sábado (24), por um pool de veículos.

Na época, Lula, que era candidato à reeleição, justificou sua ausência dizendo que era "fato público e notório o grau de virulência e desespero de alguns adversários, que estão deixando em segundo plano o debate de propostas e ideias".

O debate, da TV Globo, foi realizado em 28 de setembro daquele ano e era o último antes do primeiro turno. Compareceram Geraldo Alckmin (PSDB), Cristovam Buarque (PDT) e Heloisa Helena (PSOL).

A cadeira de Lula ficou vazia, e, mesmo ausente, ele foi alvo de perguntas de adversários, segundo permitiam as regras.

Em nota antes do encontro, Alckmin, hoje vice na chapa do petista, o chamou de "fujão" e caracterizou sua atitude como "vergonhosa". "Lula não tem como explicar a sequência de escândalos que envolvem seu governo", disse.

Cristovam, que também anunciou apoio ao petista, ironizou: "Estaremos votando no sr. ou no vice José Alencar?".

Já Heloisa, hoje filiada à Rede, afirmou que Lula tinha "obrigação de descer de seu trono de corrupção e arrogância".

A ausência do debate em 2006 foi apontada por aliados do petista como uma das razões pelas quais a eleição não terminou no primeiro turno. Na segunda etapa, Lula disputou contra Alckmin.