Alckmin discute âncora fiscal com secretário da gestão Rodrigo Garcia

O vice-presidente eleito e coordenador da transição de governo, Geraldo Alckmin, se reuniu nesta terça-feira com o secretário de Fazenda do governo de São Paulo, Felipe Salto, para discutir caminhos para a criação de uma nova âncora fiscal para substituir o teto de gastos.

PEC da Transição: Entenda por que o Centrão resiste em dar ‘cheque em branco’ a Lula

Transição: Responsabilidade social e fiscal vão juntas, não há oposição, diz Persio Arida

Salto já havia sido sondado anteriormente por emissários do PT sobre a possibilidade de integrar a equipe de transição. Mas alegou que iria cumprir o compromisso de ficar no governo até o fim do mandato do governador Rodrigo Garcia (PSDB), que termina em 31 de dezembro.

Derrotado no primeiro turno na eleição de São Paulo, Garcia declarou apoio a Jair Bolsonaro (PL) contra Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno da disputa presidencial.

Superendividamento: Aras defende que empréstimo consignado do Auxílio Brasil é inconstitucional

Lula enfatizou durante a campanha que, caso eleito, acabaria com o teto de gastos. A equipe de transição discute modelos para uma nova âncora fiscal. Entre as opções, está a retomada das metas de superávit primário (receitas menos despesas do governo, excetuando gastos com pagamento de juros ) ou a criação de uma regra que limite o crescimento real dos gastos do governo à trajetória da dívida líquida.

Antes de assumir o cargo de secretário da Fazenda de São Paulo no começo deste ano, Salto foi diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado, que faz acompanhamento das contas públicas.