Alcolumbre diz que não vai aceitar ser "intimidado" ou "chantageado" para marcar sabatina de Mendonça

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
O presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Alcolumbre disse que não vai aceitar "ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado"

  • O parlamentar, que é presidente da CCJ, é responsável por marcar a sabatina de André Mendonça, indicado ao STF

  • A indicação do presidente Jair Bolsonaro foi feita há três meses

Em meio às pressões para marcar a sabatina de André Mendonça, indicado ao Supremo Tribunal Federal, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) disse que não vai aceitar "ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado". O parlamentar é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e precisa definir quando o indicado do presidente Jair Bolsonaro terá seu nome avaliado pelo colegiado.

"Tenho sofrido agressões de toda ordem. Agridem minha religião, acusam-me de intolerância religiosa, atacam minha família, acusam-me de interesses pessoais fantasiosos. Querem transformar a legítima autonomia do presidente da CCJ em ato político e guerra religiosa", disse o senador por meio de nota.

Mendonça foi indicado por Bolsonaro há três meses, mas até hoje a audiência na comissão não foi marcada. Depois de ser sabatinado no colegiado, o nome é levado ao plenário do Senado e precisa de maioria para ser aprovado. "Reafirmo que não aceitarei ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado com o aval ou a participação de quem quer que seja", completou Alcolumbre na nota.

Leia também:

O presidente da CCJ citou ainda quais devem ser as prioridades neste momento. "Tramitam hoje pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal cerca de 1.748 matérias, todas de enorme relevância para a sociedade brasileira. A prioridade do Poder Legislativo, no momento, deve ser a retomada do crescimento, a geração de empregos e o encontro de soluções para a alta dos preços que corroem o rendimento dos brasileiros".

Nesta quarta-feira (13), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que acredita que a sabatina de André Mendonça irá ocorrer nas próximas semanas. As declarações foram dadas em entrevista à rádio CNN.

Questionado sobre um possível movimento dos parlamentares da Casa de paralisar o andamento das análises do plenário para pressionar pela sabatina, Pacheco destacou que a indicação de Mendonça não pode ser tratada como a única e principal questão do país. Segundo ele, a pauta não pode ser contaminada pela polêmica envolvendo a sabatina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos