Alcolumbre se coloca como intermediário e diz que tem 'tentado apagar um incêndio atrás do outro'

Isabella Macedo
Presidente do Senado, Davi Alcolumbre

Após permanecer em silêncio em relação à última crise política causada com a demissão de Sergio Moro do governo de Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou nesta segunda-feira que tem "tentado apagar um incêndio atrás do outro". Com mais trânsito no governo que seu correligionário e presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Alcolumbre afirmou que tenta "construir alternativas de soluções" para os problemas em meio à crise do novo coronavírus no país.

O presidente do Senado citou as situações do Amazonas, Ceará e Amapá como dramáticas e se referiu a diversos relatos dos senadores durante a sessão de hoje sobre a angústia da crise da Covid-19 em seus respectivos estados.

- Então, eu concordo, divido angústias, divido-as com o Senado, porque sei de todas elas, e se, muitas vezes, eu não tenho conseguido das as respostas no tempo hábil, é porque eu, com certeza, tenho tentado apagar um incêndio atrás do outro aqui - afirmou.

Alcolumbre desabafou após discurso do líder do PSD, senador Otto Alencar (BA), que cobrou de forma enfática por respostas mais rápidas do governo para a crise gerada pela Covid-19. Alencar também fez críticas a Bolsonaro por gerar constantes crises por motivos pessoais em um momento de pandemia.

- Me perdoe a minha veemência, até a minha emoção, porque, sinceramente, ver a letargia do presidente da República, brigando com o Ministro da Saúde, demitindo o Ministro da Justiça, por uma briga interna, que apenas tem vaidade, capricho e orgulho de saber qual dos dois é o maior, quem vai ser Presidente da República em 2022 - reclamou Otto, que chegou a pedir que Bolsonaro renunciasse se não tem condições de governar.

No fim da sessão do Senado desta segunda, Alcolumbre respondeu a relatos dos senadores durante a sessão sobre a angústia da crise da Covid-19 em seus estados. Ele afirmou que o sistema de saúde pública está colapsado "há décadas" e que o país vive a "tempestade perfeita", sem respostas à altura do problema.

- O sistema de saúde pública, a descentralização dos recursos, o pacto federativo, o fortalecimento dos Municípios, todos estão sofrendo há décadas, e a gente, infelizmente... É a tempestade perfeita. Juntar tudo que a gente vivia com mais essa doença que está matando milhares de pessoas no Brasil e no mundo nos deixa a todos nessa condição de lutarmos a cada pela vida, por esse boletim, que às vezes a gente vê diminuir, mas na outra semana vê crescer, e a gente fica muito apreensivo e angustiado porque, de fato, as respostas não têm sido dadas à altura - completou Alcolumbre.

Sem citar diretamente o presidente da República, Alcolumbre também pediu para que diferenças políticas sejam deixadas para depois da crise. Ao colega Otto Alencar, afirmou que cuidar das vidas é a prioridade do Congresso, e que desde que retornou à presidência da Casa após se recuperar da Covid-19, começa e termina os dias "pedindo paz" nos bastidores.

- Compartilhamos as suas manifestações, e saiba, Vossa Excelência e o conjunto do Senado Federal, que esses dias em que eu estou aqui, quando eu retornei à Presidência, à frente dos trabalhos no Senado Federal, eu não tenho hora para começar o dia trabalhando pedindo paz e não tenho hora para terminar o meu dia, pedindo paz. E aí eu divido com Vossas Excelências essa conduta, porque eu sei que é o melhor caminho para a gente superar isso. Depois que a gente superar tudo isso, a gente volta para o embate ideológico, partidário, mas vamos embora atravessar. Porque há muita gente destruindo pontes. Eu quero ser uma ponte de ligação entre a Câmara dos Deputados, entre o Poder Executivo, entre os Governadores brasileiros, entre os prefeitos brasileiros que estão sofrendo na ponta, e entre a população brasileira, que está aí, aguardando as nossas decisões para que as coisas aconteçam de verdade na vida dela - completou o amapaense.