Alcolumbre vai provar se tem blefado sobre Mendonça nesta semana, dizem colegas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  29-04-2020, 16h00: O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado da primeira dama Michelle Bolsonaro, do vice presidente Hamilton Mourão, do presidente do STF ministro Dias Toffoli, do ministro do STF Gilmar Mendes, dentre outras autoridades, da cerimônia de Posse do novo ministro da Justiça André Mendonça, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 29-04-2020, 16h00: O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado da primeira dama Michelle Bolsonaro, do vice presidente Hamilton Mourão, do presidente do STF ministro Dias Toffoli, do ministro do STF Gilmar Mendes, dentre outras autoridades, da cerimônia de Posse do novo ministro da Justiça André Mendonça, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Davi Alcolumbre (DEM-AP) afirmou a amigos nas últimas horas que define nesta terça-feira (23) o que fazer sobre a sabatina de André Mendonça para o STF (Supremo Tribunal Federal), na fila há mais de 120 dias.

Segundo relatos, o senador tem dito contar com ao menos 49 votos contra o indicado de Jair Bolsonaro (sem partido) e que fará uma última checagem, pessoalmente com parlamentares. A leitura de quem ouviu a conversa é: se não agendar para a semana que vem é porque não consegue derrotar o evangélico.

No início de novembro, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) marcou para a próxima semana o chamado "esforço concentrado" para a sabatina de autoridades indicadas para cargos. Desde então, Alcolumbre segue dando sinais dúbios, dizendo a alguns que não vai pautar nunca a indicação e, ao mesmo tempo, afirmando ter votos para derrotá-lo.

O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania) tem feito campanha contra o indicado de Bolsonaro e acabou ficando em uma situação sem saída. Enquanto sofre certa pressão para agendar a sabatina também tem receio de ver Mendonça virar ministro do Supremo.

O ex-ministro também tem certeza: se a sabatina ocorrer, conseguirá os 41 votos que precisa para ser aprovado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos