Alec Baldwin publica texto da figurinista de 'Rust' sobre condições do set

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ator Alec Baldwin, 63, se pronunciou novamente, através de seu Instagram, sobre o tiro acidental que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins no set de filmagens do filme "Rust", no dia 21 de outubro.

O artista publicou nesta terça-feira (2) uma declaração da produtora e figurinista do filme, Terese Magpale Davis, e pediu para que seus seguidores prestassem atenção na fala dela sobre as condições de trabalho no set.

"Estou farta dessa narrativa. Trabalhei nesse filme. A história sobre nós sendo sobrecarregados e cercados por condições inseguras e caóticas é besteira. Nunca trabalhamos mais do que 12,5 horas por dia de filmagem. Isso foi uma vez", começou Davis.

"Na maioria dos dias tínhamos menos de 12 horas. No dia em que Halyna morreu, nós tínhamos saído de um dia de filmagem de 11 horas. Ninguém estava muito cansado para fazer seus trabalhos. Tudo isso pode ser comprovado por planilhas de ponto diárias", continuou.

A produtora segue falando que mesmo com boas condições de trabalho, a equipe tentou negociar os contratos durante as gravações. "Eles literalmente disseram que mereciam mais dinheiro e hotéis do que o resto da equipe porque eles eram melhores. Esses caras são não heróis", afirmou.

"Eles só se importavam com eles mesmos. Esses produtores que supostamente não preocupavam com sua equipe trabalharam incansavelmente ao nosso lado. Eles eram alguns dos mais acessíveis e calorosos produtores com quem já trabalhei", disse.

"Alguns desses produtores renunciaram todas as taxas para garantir que pudéssemos fazer este filme e pagar por coisas como hotéis para todos que pediram", reforçou. "Tínhamos um representante do sindicato. Eles finalmente disseram para a produção não ceder à equipe de filmagem porque eles eram exigentes com coisas que o sindicato não exige e estava tentando renegociar um contrato no meio da filmagem."

Davis ainda falou sobre a experiência da armeira do filme, e pontuou que o tiro foi acidental. "A armeira foi aprendiz de um outro armeiro conhecido e tinha estado na mesma posição, no mesmo tipo de filme, alguns meses antes. Ele era a pessoa mais experiente? Não", escreveu.

"Você pode dizer o que quiser sobre até mesmo níveis mais baixos que precisam de pessoas qualificadas, e concordarei. Mas como você acha que alguém vai ter essa experiência? Nós todos tivemos um primeiro e um segundo emprego em um ponto ou outro", continuou.

"Você acha que produtores classificam o valor das pessoas dando aquela chance para que apenas fique bem em seu currículo e tenha ótimas referências? Porque Hannah [a armeira] tinha ambas. As falhas na ignição foram descargas acidentais, mais comuns do que você pensa. Sim, existe uma diferença."

"E as armas foram verificados imediatamente depois e as checagens foram anunciadas em

definido. Tivemos várias reuniões de segurança. Às vezes, várias por dia", relembrou a produtora. Davis também aponta motivos dos produtores não se defenderem das acusações de más condições de trabalho.

"Perguntei aos meus produtores por que eles não se defenderam mais contra as acusações flagrantemente falsas à mídia. A resposta deles foi que querem ter o foco em Halyna. Eles querem que tenhamos tempo para lamentar e nos recuperar", explicou.

"Eles disseram que haverá tempo para defenderem suas reputações mais tarde, e que o importante é ter certeza de que a equipe está bem. Estes não são produtores de estúdio que nos veem como cifrões ambulantes. Eles se importaram conosco enquanto todos trabalhamos juntos e continuam a se importar. Eles continuam ligando para saber como a equipe está", finalizou.

ENTENDA O CASO

Um tiro disparado no set de filmagens do filme "Rust", estrelado por Alec Baldwin, deixou a diretora de fotografia Halyna Hutchins, 42, morta e o diretor Joel Souza, 48, ferido, no Bonanza Creek Ranch, em Santa Fé, Novo México, nos Estados Unidos, no dia 21 de outubro.

O próprio ator disparou a arma cenográfica, que deveria estar com festim, não com munição de verdade. "Estamos tentando determinar agora como e que tipo de projétil foi usado na arma de fogo", disse Juan Rios, porta-voz do Gabinete do Xerife do Condado de Santa Fé.

Baldwin foi interrogado e estava chorando, segundo o Santa Fe New Mexican, mas ninguém foi preso pelo acidente. Segundo apuração, a arma foi entregue ao ator pelo diretor assistente Dave Halls, que não sabia que ela tinha munição de verdade e confirmou isso no set gritando "arma fria".

Mas, segundo o sindicato de Hollywood, a arma continha munição real. "Uma munição verdadeira foi acidentalmente disparada no set pelo ator principal, atingindo a diretora de fotografia Halyna Hutchins, integrante da Local 600, e o diretor Joel Souza", disse uma filial local do sindicato IATSE (Aliança Internacional de Funcionários de Palco Teatral, na sigla em inglês).

Horas antes do disparo, um grupo de operadores de câmeras deixou o set de "Rust" em uma praia próxima à cidade de Santa Fé em protesto às condições de trabalho. Baixo orçamento, longas viagens e jornadas de trabalho foram algumas das reclamações, segundo o jornal Los Angeles Times.

Em suas redes sociais, Alec Baldwin falou sobre o choque e tristeza causados pelo acidente, e disse estar em contato com a família da colega. "Eu estou cooperando com a investigação policial para descobrir como essa tragédia aconteceu", escreveu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos