Alemão tem 1º dia sem ação policial desde sexta, mas clima segue tenso

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Moradores do complexo do Alemão, conjunto de favelas na zona norte do Rio, tiveram o primeiro dia sem tiroteios na comunidade em quase uma semana nesta quarta-feira (26).

Desde sexta (21), o Bope (Batalhão de Operações Especiais) da Polícia Militar do Rio vinha realizando operações para instalar uma torre blindada no alto da favela Nova Brasília, dentro do complexo. A torre foi finalmente instalada na última terça (25).

A ação deixou quatro mortos, entre eles o adolescente Paulo Henrique Oliveira de Moraes, 13, enterrado nesta quarta.

Moradores fizeram uma manifestação em um dos acessos ao complexo de favelas. Com carro de som, protestaram contra a violência na região, que vem sofrendo com constantes tiroteios entre policiais e criminosos.

Apesar de não ter havido operação policial nesta quarta, moradores dizem que o clima segue tenso no complexo.

Principal ícone da política de pacificação dos morros do Rio, o Alemão, que foi ocupado de modo cinematográfico em 2010, tem sido cenário de confrontos diários entre polícia e traficantes desde o início de fevereiro.

Especialistas veem na instalação da torre um símbolo do fracasso da política de segurança -a ideia, após a ocupação da favela, era que polícia e população passassem a ter relação mais próxima.

Mesmo quem a defende, como o antropólogo e ex-capitão do Bope Paulo Storani, reconhece que ela não representará solução para o conflito a longo prazo.

"A polícia não pode simplesmente sair do Alemão. A torre pelo menos dará segurança para o efetivo policial que está lá. Mas sabemos que não vai solucionar o problema. Ela será alvejada constantemente."