Além de "Meu vaqueiro, meu peão": relembre outros sucessos de Rita de Cássia

Rita de Cássia (Igor de Melo/Vós)
Rita de Cássia (Igor de Melo/Vós)

Um dos ícones do forró no Brasil, Rita de Cássia, nos deixou na terça-feira (03) em um hospital de Fortaleza, Ceará. Ela estava internada desde o dia 1° de janeiro e tratava fibrose pulmonar idiopática. Muita gente conhece a artista por conta do hit "Meu vaqueiro, meu peão", mas ela é dona de outros grandes sucessos.

Versátil, fiel à sua história e apaixonada pelo sertão, Rita deixa fãs saudosos e um legado eterno. Vamos relembrar cinco fenômenos compostos pela rainha cearense?

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"ONDE CANTA O SABIÁ"

Em entrevista à jornalista cearense Taís Lopes, Rita já havia falado que essa é uma de suas composições preferidas, já que fala de sua infância humilde no sertão e do apoio da família em sua trajetória. "Sou caboclo do sertão/Só tenho amor no coração, pra oferecer/A natureza é minha casa, vida viver/Tudo pra eu e ocê"

"SAGA DE UM VAQUEIRO"

Temática recorrente em suas criações, nessa canção a artista encarna a figura do vaqueiro e abre o coração sobre a história dessa figura da infância a vida adulta - regada a passeio de cavalo, berrantes e vaquejadas. "Vou pedir licença pra contar a minha história/Como um vaqueiro tem suas perdas e suas glórias/Mesmo sendo forte, o coração é um menino/Que ama e chora por dentro, e segue o seu destino".

‘O BEM E O MAL’

Rita embalou diversas histórias de amor no melhor estilo "emocionada". Nessa música, a compositora expõe a dualidade do sentimento, que ora faz bem, mas também pode causar tristezas. "Me perdoe se eu falei demais/ Só disse o que sentia/ Você é como o bem e o mal/Que caminham juntos todo dia".

‘LIGAÇÃO ERRADA’

Quem nunca sentiu aquela saudade de apertar o coração? Aliás, quem nunca fez aquela "ligação errada" só para ouvir a voz da pessoa amada? Distância machuca e essa letra de Rita mostra bem isso: "Não precisa, amor, se preocupar/Eu estava aqui a esperar/Louquinha pra ligar/Morrendo de saudades".

"NO VÔO DA ASA BRANCA"

Cantar sobre a saudade do sertão era algo que Rita fazia de forma majestosa. Nessa canção, a artista reconhece a liberdade que a região lhe trazia, além das vaquejadas e do forró. "Eu me sinto um pássaro sem poder voar/ Ainda encontro ao longe o canto do sabiá/ Tudo é fantasia ou pura ilusão/ Não há nada que faça esquecer meu sertão".