Alemanha administra vacinas anticovid nas cantinas das empresas

·2 minuto de leitura
Funcionária com cartão de vacinação e um formulário da empresa, enquanto espera para se vacinar contra a covid-19 em Hanau, Alemanha

Ainda falta um pouco para a hora do almoço, mas Ralf Scharf, um treinador de técnicos químicos, já se dirige à cantina de sua empresa na Alemanha para receber uma vacina anticovid.

Sua empresa, a Evonik Industries, se uniu aos esforços de vacinação do país, que inclui também os médicos de empresas.

"Você pode se vacinar sem nenhum tempo de espera, é genial", disse à AFP Scharf, de 58 anos, depois de fazer o curto percurso de seu escritório de trabalho até a cantina.

As mesas foram retiradas para dar lugar a fileiras de pequenas cabines atendidas por profissionais da saúde.

Cada seção está dedicada a um passo diferente do processo, desde a assinatura dos formulários de consentimento e a consulta prévia até a sala de recuperação.

Os trabalhadores com fome podem pegar comida para levar para uma sala adjacente.

Este centro de vacinação improvisado nas instalações do grupo químico Evonik, em Hanau, perto de Frankfurt, é um dos vários projetos piloto deste tipo na Alemanha.

O operador ferroviário Deutsche Bahn, o fabricante de automóveis Volkswagen e o gigante químico BASF implementaram planos semelhantes.

Em 7 de junho começará oficialmente o dispositivo para que os médicos de empresa de todo o país se juntem à campanha de vacinação contra o coronavírus.

Espera-se que a demanda supere a oferta, pelo menos no início, até que remessas de vacinas cheguem gradualmente aos grandes centros de vacinação, às consultas médicas e às empresas participantes.

Depois de um começo lento muito criticado, a Alemanha acelerou significativamente nas últimas semanas o ritmo das vacinações.

Cerca de 40% dos adultos já recebeu a primeira dose e mais de 13% as duas.

- Luz no horizonte -

Em Evonik, a médica de empresa Christine Busch só precisa administrar algumas centenas de doses durante a fase piloto.

Mas assim que o projeto for lançado no mês que vem, ela espera vacinar cerca de 1.000 pessoas por semana.

No início, a vacinação se centrará nos aproximadamente 3.500 funcionários da Evonik em Hanau e nos empregados de empresas associadas. Também está previsto ampliar a oferta aos familiares dos empregados.

Todas as vacinas do programa piloto são da Pfizer/BioNTech, para quem a Evonik produz as bolhas de gordura conhecidas como nanopartículas lipídicas, que protegem as cruciais moléculas de RNAm da vacina.

Enquanto o fornecimento de vacinas continuar limitado, a empresa vai priorizar os funcionários locais e que não podem trabalhar de casa.

jpl-mfp/pc/mis/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos