Alemanha diz que Rússia ameaça Europa após Putin prever década "perigosa"

Presidente da Rússia Vladimir Putin

(Reuters) - A invasão da Ucrânia pela Rússia mergulhou a Europa em uma era de insegurança, disse a Alemanha nesta sexta-feira, um dia depois de o presidente russo, Vladimir Putin, prever uma década "perigosa" pela frente.

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, que é de uma ala dos social-democratas alemães que há muito defende laços econômicos mais estreitos com Moscou, afirmou que a invasão de 24 de fevereiro rompeu essas esperanças.

"Quando olhamos para a Rússia de hoje, não há espaço para sonhos antigos", disse Steinmeier, referindo-se ao sonho do ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev de um "lar europeu comum".

"Também nos mergulhou na Alemanha em outro tempo, em uma insegurança que pensávamos ter superado: um tempo marcado pela guerra, violência e fuga, por preocupações sobre a expansão da guerra em um incêndio na Europa", disse ele.

"Anos mais difíceis, anos duros estão por vir."

A Alemanha, que aderiu às sanções europeias contra a Rússia e entregas de armas à Ucrânia, registrou a chegada de mais de um milhão de refugiados ucranianos e alertou para uma possível escassez de energia neste inverno após cortes no fornecimento de gás russo.

Putin, discursando em uma conferência em Moscou na quinta-feira, minimizou a perspectiva de um impasse nuclear com o Ocidente, mas acusou os líderes ocidentais de incitar a guerra na Ucrânia, que ele diz ter sido justificada pelo desejo expresso de Kiev de se juntar à Otan.

O domínio ocidental sobre os assuntos mundiais estava chegando ao fim e "pela frente está provavelmente a década mais perigosa, imprevisível e, ao mesmo tempo, importante desde o fim da Segunda Guerra Mundial", disse Putin.

O líder russo insistiu que a guerra de Moscou na Ucrânia, que ele chama de "operação militar especial", está sendo planejada enquanto os dois lados se preparam para uma batalha importante em Kherson, no sul da Ucrânia.

Uma das quatro províncias parcialmente ocupadas que a Rússia declarou anexada no mês passado, a região controla tanto a única rota terrestre para a península da Crimeia - tomada pela Rússia em 2014, quanto a foz do rio Dnipro que corta a Ucrânia.

Sergey Aksyonov, o líder da Crimeia indicado pela Rússia, disse que o trabalho foi concluído na transferência de moradores que buscam fugir de Kherson para regiões da Rússia antes de uma esperada contraofensiva ucraniana.

A Ucrânia acusou Moscou de remover à força algumas pessoas e recrutar outras para lutar contra sua vontade. Seu Estado-Maior disse que a chamada retirada continua, com equipamentos hospitalares e comerciais removidos e forças russas extras implantadas em casas vazias.

A Reuters não conseguiu verificar os relatos do campo de batalha.