Alemanha e França barram entrada de quem esteve no Brasil, contra variantes de coronavírus

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
·2 minuto de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - Depois do Reino Unido, de Portugal e da Colômbia, a Alemanha e a França também estão fechando suas portas a viajantes que chegam do Brasil, para tentar conter a entrada de variantes mais contagiosas do coronavírus. A restrição alemã, que entra em vigor neste sábado (29) e vale até 17 de fevereiro, também atinge passageiros de outros locais em que há variantes em grande circulação, como o próprio Reino Unido e Portugal e Irlanda e África do Sul. O novo regulamento vale para entradas por terra, ar e mar. Há exceção apenas para residentes na Alemanha e cidadãos alemães, além de viagens essenciais, como transporte de carga e casos de saúde. Já na França a proibição de viagens vale para todos os países de fora da União Europeia e entrará em vigor à meia-noite do domingo. Para os que saem de países do bloco europeu, será necessário um teste de coronavírus negativo. ​Nesta semana, a União Europeia já havia recomendado quarentena obrigatória de 14 dias para passageiros que cheguem do Brasil, do Reino Unido ou da África do Sul, mas os países membros podem impor restrições adicionais. Entre as exceções consideradas essenciais pela União Europeia estão profissionais da saúde, passageiros em trânsito, viagens por motivos familiares imperativos ou para estudos e trabalhadores altamente qualificados (se o trabalho for necessário do ponto de vista econômico e não puder ser adiado nem executado no exterior). A preocupação com as novas mutações do coronavírus cresceu depois que fabricantes de vacina afirmaram que a eficácia parece ser menor para algumas delas, como as identificadas na África do Sul e no Brasil. Nesta sexta (29), a Novavax afirmou que está desenvolvendo um novo produto específico para a variante africana, já que seus ensaios revelaram eficácia menor. A vacina não foi testada para a cepa encontrada no Brasil.