Alemanha limita uso de vacina da AstraZeneca por preocupações com efeitos colaterais

Patricia Weiss e Caroline Copley
·2 minuto de leitura
Vacina da AstraZeneca contra Covid-19

Por Patricia Weiss e Caroline Copley

BERLIM (Reuters) - A Alemanha irá limitar o uso da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 a partir de quarta-feira, destinando-a apenas para aplicação em pessoas com 60 anos ou mais, assim como para grupos de alta prioridade, após relatos de ocorrência de uma rara enfermidade sanguínea cerebral.

"Precisamos poder confiar nas vacinas", afirmou a chanceler alemã, Angela Merkel, a jornalistas em uma coletiva de imprensa na terça-feira. "E a transparência é a melhor maneira de lidar com uma situação assim", acrescentou.

Agindo após recomendação do comitê de vacinação da Alemanha, conhecido como STIKO, os ministros estaduais e federal de Saúde concordaram que as pessoas com menos de 60 anos devem tomar a vacina da AstraZeneca apenas se pertencerem a grupos de alta prioridade, que incluem pacientes de alto risco e profissionais de saúde, após consulta com um médico.

As pessoas com menos de 60 anos que já tenham recebido a primeira dose da AstraZeneca terão a opção de receber a segunda dose como planejado, caso estejam no grupo prioritário, ou esperar a próxima recomendação do comitê de vacinas, que é esperada para o final do mês de abril.

A nova restrição ao uso da vacina da AstraZeneca é mais um revés na já morosa campanha de vacinação da Alemanha.

Mais cedo, o comitê recomendou que a dose fosse utilizada apenas para as pessoas de 60 anos ou mais "de acordo com os dados disponíveis sobre a ocorrência de efeitos colaterais tromboembólicos raros, porém muito graves".

O STIKO também analisa a possibilidade de administrar a segunda dose com uma vacina diferente.

Em nota respondendo a uma orientação do comitê, a AstraZeneca afirmou que a segurança dos pacientes é sua maior prioridade e apontou que as agências médicas da Europa e do Reino Unido ainda não haviam conseguido estabelecer uma relação causal entre a vacina e a formação de coágulos sanguíneos.

"Vamos continuar a trabalhar com as autoridades alemãs para responder às perguntas que eles possam ter", acrescentou a farmacêutica.

A Alemanha, no entanto, permitirá que pessoas de 60 anos ou mais tomem a dose da AstraZeneca em um esforço para acelerar sua campanha de vacinação.

Até agora, o país estava vacinando apenas pessoas com mais de 70 anos e grupos de alta prioridade.

A decisão do governo alemão seguiu relatos da agência reguladora de vacinas do país, o Instituto Paul Ehrlich, de ocorrências de casos de coágulos sanguíneos conhecidos como trombose venosa cerebral (TVC).

O instituto disse ter registrado 31 casos de TVC, resultando em 9 mortes, entre as cerca de 2,7 milhões de pessoas que receberam a vacina da AstraZeneca. Com exceção de dois casos, todas as ocorrências foram registradas em mulheres de idade entre 20 e 63 anos.

(Reportagem adicional de Paul Carrel, Andreas Rinke e Ludwig Burger)