Alemanha prende iraniano acusado de planejar ataque com substâncias tóxicas ao Estado

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A polícia da Alemanha anunciou que prendeu neste domingo (8) , na cidade de Castrop-Rauxel, um cidadão iraniano de 32 anos suspeito de planejar um ataque usando cianeto e ricina. Agentes fizeram buscas na casa dele.

A operação, no oeste do país, na província de Renânia do Norte-Vestfália, foi autorizada pela Procuradoria-Geral de Düsseldorf e mobilizou agentes das polícias de Recklinghausen e Münster. Em comunicado conjunto, as instituições disseram que o plano do iraniano era de um "ato de violência grave, que ameaçaria a segurança do Estado", com inspiração religiosa.

O suspeito deve ser apresentado nos próximos dias a um juiz de instrução, que decidirá sobre um pedido de prisão preventiva. Segundo a Promotoria, se for condenado ele está sujeito a uma pena de detenção de 6 meses a 10 anos. O irmão do cidadão iraniano, sobre o qual não foram fornecidos mais detalhes, também foi preso, acrescentaram os investigadores.

Segundo a agência Reuters, citando a Procuradoria-Geral de Düsseldorf, o cidadão iraniano tentava obter cianeto e ricina, mas as substâncias não foram encontradas em sua casa. A ricina, proteína encontrada nas sementes de mamona, pode levar a intoxicação e morte dentro de um período de 36 a 72 horas após a exposição --não ha antídoto conhecido contra a substância.

De acordo com o jornal alemão Bild, as autoridades alemãs receberam há alguns dias a denúncia de um serviço de inteligência estrangeiro, citando o FBI, a polícia federal dos EUA, sobre a ameaça de um ataque com armas químicas.

O secretário do Interior de Castrop-Rauxel, Herbert Reul, confirmou que a operação, deflagrada na madrugada de domingo, teve como base um alerta emitido por um Estado aliado.

"A Alemanha continua a ser um alvo direto de organizações terroristas islâmicas. Lobos solitários de motivação religiosa são um perigo considerável", disse a ministra do Interior, Nancy Faeser, acrescentando que desde 2000 a inteligência já preveniu ao menos 21 ataques do tipo.

Mais recentemente, o país conseguiu desbaratar uma operação de conspiração de extrema direita que pretendiam dar um golpe de Estado --ao menos 25 pessoas foram presas, em um caso envolvendo mais de 50 suspeitos. O episódio expôs a ascensão do extremismo e as preocupações do Estado com esse movimento, décadas após o fim do nazismo.

Os serviços de inteligência doméstica apontam para algo em torno de 28,9 mil pessoas que são monitoradas por alguma ligação com causas islâmicas fundamentalistas --o número teria diminuído com a debacle do grupo terrorista Estado Islâmico.

A Alemanha foi alvo recente de alguns atentados, incluindo um ataque a um mercado de Natal em dezembro de 2016, que matou 13 pessoas.