Alesp adia criação da CPI da Prevent Senior após ausência de aliados de Doria

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.10.2016: ASSEMBLEIA-LEGISLATIVA - Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo. (Foto: Fabio Braga/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1610161857251407
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.10.2016: ASSEMBLEIA-LEGISLATIVA - Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo. (Foto: Fabio Braga/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1610161857251407

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) adiou por tempo indeterminado nesta quarta-feira (6) o processo de criação da CPI da Prevent Senior, proposta para investigar a atuação da operadora de saúde durante a pandemia de Covid-19.

Sem atingir o mínimo necessário de 48 parlamentares, a ordem do dia no plenário da Casa foi encerrada sem que o tema, que tramita em caráter urgente, fosse analisado --grande parte da bancada que apoia o governador João Doria (PSDB) não compareceu à sessão.

O presidente da Assembleia, o deputado Carlão Pignatari (PSDB), ainda não informou a nova data de votação para criação da CPI.

"A base do governo não foi articulada para estar presente na votação", disse o deputado Paulo Fiorillo (PT).

Os três deputados que compõem a bancada do MDB não estavam presentes durante a votação para ampliar a sessão por mais duas horas e meia, o que possibilitaria a continuação dos trabalhos. Dos sete parlamentares do DEM, apenas um votou e foi a favor --os dois partidos fazem parte da base de apoio do governador.

Todos os parlamentares do Avante e Cidadania também se ausentaram. Já a maioria das bancadas do Novo, Patriota, PSD, PSDB, PL, PT, PSOL e Rede Sustentabilidade compareceram e votaram a favor da manutenção da sessão. Mesmo assim, não houve quorum suficiente para que ela continuasse --faltaram 12 deputados.

O deputado Vinicius Camarinha (PSB), que ocupa a liderança do governo na Casa, disse que a CPI é uma pauta da Assembleia Legislativa e, por isso, "a liderança do governo não se envolve".

A reportagem procurou Pignatari e o secretário estadual da Casa Civil, o deputado Cauê Macris (PSDB), para comentar as ausências em plenário da bancada governista, mas não teve retorno.

Doria, que chegou a defender veementemente a instalação da CPI, disse nesta quarta-feira (6) que a instauração das investigações é uma decisão do Legislativo paulista. "Nós respeitamos a decisão independente e soberana da Assembleia de São Paulo", disse o governador.

A declaração mais branda foi vista entre alguns parlamentares como um recuo, apesar de pessoas ligadas ao governador no Palácio dos Bandeirantes negarem essa possibilidade.

Para ser instalada, a CPI ainda depende de mais uma votação após o tema passar por discussão conjunta das comissões parlamentares.

O presidente da Alesp tem dito a colegas que sua intenção é instalar a CPI. Em público, porém, o parlamentar reclama do viés político que a discussão tem tomado.

Durante toda a sessão, deputados bolsonaristas se opuseram à instalação da CPI e fizeram discursos em defesa da operadora de saúde. O deputado Douglas Garcia (PTB) interrompeu a sessão por três vezes para pedir a recontagem de deputados presentes e também atacou parlamentares da oposição que criticaram a Prevent Senior na tribuna.

"Essa CPI que querem instalar aqui não passa de uma perseguição política e ideológica", disse ele. "Ah, mas não ainda não tem comprovação científica, fazer o que?", continuou o parlamentar após alegar que os médicos que defendem o "kit Covid" estão sendo atacados.

Deputada estadual mais votada da história, Janaina Paschoal (PSL) também se pronunciou na votação e atacou quem a chama de negacionista e a acusa de buscar vantagens eleitorais por se posicionar contra a instauração da CPI da Prevent. "Meus alunos podem dizer que nas minhas aulas de biomédica eu defendo a autonomia individual é um princípio a ser observado", disse a deputada.

Além da CPI que já existe no Senado sobre a Covid e das tentativas de instauração de investigação no Legislativo paulista, a Prevent Senior será alvo ainda de uma CPI na Câmara Municipal de São Paulo. O objetivo é que a comissão apure diferentes temas, incluindo uma eventual sonegação fiscal da operadora, a falta de alvará em prédios da empresa e violações éticas em pesquisas médicas.

Há, ainda, uma frente de apurações conduzidas pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

A Prevent Senior é acusada de ter receitado medicamentos sem comprovação científica, o chamado "kit Covid", a pacientes que procuraram as unidades em busca de tratamento. Os casos foram tratados como parte de um estudo ilegal sobre esses medicamentos, segundo a CPI no Senado.

Há também relatos de pacientes que afirmam terem recebido orientação de médicos para trocar leitos de UTI pelos cuidados paliativos após um determinado período de internação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos