Alexandre Henriques, da Gruta de Santo Antônio, em Niterói, abre casa no Leblon com cardápio luso-carioca

Quando, em 1977, Dona Henriqueta abriu a Gruta da Santo Antônio, clássico restaurante de Niterói, seu filho Alexandre Henriques tinha apenas cinco anos. Vivia por ali, entre o salão e a cozinha, observando o clima da casa. “Roubava batatinhas de clientes amigos e me divertia”, lembra. Aos 15 anos, ele já estava na equipe da cozinha, preparando arroz de pato, postas de bacalhau e camarões à Bulhão Pato. Cresceu assim e, há três anos, a vontade de atravessar a ponte aumentou.

Buscava pontos até chegar a esse, na Aristides Espínola, no Leblon, onde acaba de abrir a tasca Henriqueta, com clima descontraído e acolhedor. “Queria um espaço mais autoral, com inspirações que vêm de viagens que faço pela Europa e do que conheço do Rio. A Gruta continua lá, com seus clássicos. E eu estou sempre em Niterói e toda semana minha mãe vem aqui”, comenta o chef.

Pense em pastéis abertos de bacalhau, torresmos à moda dos Açores (são costelinhas de porco que dissolvem na boca), croquetes de alheira, sanduíche de lombo de porco temperado com vinha d’alho e frito na banha de porco, bacalhau da casa, que é assado em baixa temperatura com batatas ao murro, geleia de pimentão e farofa de panko, arrozes de pato e de camarão e muito mais. “Foi um acerto. Em cinco dias aberto recebi 1.268 pessoas. Na Gruta são 2 mil por mês”, compara.

Dona Henriqueta aprovou: “Estou muito feliz por receber essa homenagem, ter um espaço com meu nome. Adorei o menu: algumas criações eu já conhecia, mas tem novidades como o torresmo e os sanduíches que ficaram especiais”, elogia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos