Alexandre de Moraes abre novo inquérito para apurar 'organização criminosa' com ataques à democracia

·1 minuto de leitura

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou o inquérito aberto para investigar atos antidemocráticos ocorridos no primeiro semestre do ano passado e decidiu abrir uma nova investigação, esta para verificar a existência de uma "organização criminosa" digital montada "com a nítida finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito".

A nova investigação foi determinada a partir das provas colhidas pela Polícia Federal no caso, que detectou articulações entre blogueiros bolsonaristas e parlamentares para ataques às instituições democráticas. O ministro determinou que o novo inquérito vai analisar "a presença de fortes indícios e significativas provas apontando a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhante àqueles identificados no Inquérito 4.781". Esse inquérito citado por Moraes é o das fake news, que apura ataques aos ministros da corte.

No mês passado, a Procuradoria-Geral da República havia solicitado o arquivamento do inquérito dos atos antidemocráticos contra políticos com foro privilegiado, apontando que a PF não obteve provas contra os parlamentares investigados. O ministro atendeu ao arquivamento, mas entendeu que foram encontrados elementos para abertura de nova linha de apuração.

O caso ficará com a delegada Denisse Dias Ribeiro, a mesma que era responsável pelos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos. O prazo inicial da investigação é de 90 dias, podendo ser prorrogada por mais tempo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos