Alexandre de Moraes dá 4 horas para PF e PRF explicarem operações suspeitas para prejudicar Lula

*** FOTO DE ARQUIVO *** BRASÍLIA, DF, 28.09.2022 - O ministro presidente do TSE, Alexandre de Moraes, conduz representantes das campanhas presidenciais para conhecer a sala de totalização dos votos no tribunal, onde trabalham os servidores responsáveis por organizar e totalizar os votos das eleições. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** BRASÍLIA, DF, 28.09.2022 - O ministro presidente do TSE, Alexandre de Moraes, conduz representantes das campanhas presidenciais para conhecer a sala de totalização dos votos no tribunal, onde trabalham os servidores responsáveis por organizar e totalizar os votos das eleições. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, deu quatro horas para que os diretores da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal expliquem operações das corporações que foram deflagradas no segundo turno das eleições.

O ministro recebeu neste sábado (29) uma notícia de fato apresentada pelo PT, afirmando que as corporações estão sendo usadas com o intuito de prejudicar Lula na reta final das eleições.

Segundo decisão, o diretor-geral da PRF deve informar os procedimentos e objetivos da operação que a PRF vai fazer nas estradas federais que cortam a Bahia para o segundo turno. Moraes determina também que o diretor-geral da PF informe detalhadamente todas as apreensões noticiadas pelo Ministério da Justiça neste sábado (29).

No Twitter, o ministro Anderson Torres disse que foram apreendidos quase R$ 5 milhões de reais na sexta (28).

A decisão de Moraes atende pedido da campanha de Lula para que fossem tomadas providências a fim de impedir a atuação da (PF) e da PRF em favor da campanha de Jair Bolsonaro (PL).