Alexandre de Moraes, do STF, manda Polícia Federal ouvir Abraham Weintraub

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA - O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou a Polícia Federal (PF) ouvir, em até cinco dias, o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub. De acordo com Moraes, Weintraub deu uma entrevista na qual são veiculadas "diversas informações falsas acerca da atuação do Supremo Tribunal Federal e de condutas relacionadas a um de seus membros".

Moraes também deu 48 horas para que o Youtube disponibilize "a íntegra do material relacionado à entrevista". Determinou ainda que o processo seja encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR) para que, em dez dias, se manifeste e peça as medidas que entender necessárias.

Na semana passada, Moraes abriu uma investigação preliminar para apurar as declarações dadas pelo ex-ministro da Educação em entrevista ao podcast "Inteligência Ltda". Sem apresentar provas, Weintraub disse que um dos dez ministros do STF que lhe negaram habeas corpus tentou comprar a sua casa num condomínio fechado, mesmo sem ela estar à venda. Segundo Weintraub, esse ministro do STF alegou que o ex-ministro da Educação, que estava nos Estados Unidos e era alvo de investigação na Corte, não voltaria mais ao Brasil.

A decisão de Moraes de abrir uma investigação preliminar foi tomada no chamado "inquérito das fake news", que apura ataques e ameaças ao STF. Ele determinou que uma petição contendo o trecho da entrevista de Weintraub fosse separada num procedimento próprio. Ainda não se trata de um inquérito, mas de uma etapa prévia. A partir daí, poderão ser tomadas medidas para a apuração da conduta de Weintraub.

No último despacho, Moraes destacou que, "em uma primeira análise", as condutas de Weintraub "se assemelham às investigadas no âmbito" do inquérito das fake news. Assim, "se mostra necessária a adoção de medidas destinadas à completa elucidação dos fatos."

Procurada pelo Globo, a defesa de Weintraub disse que não se manifestará sobre o processo por enquanto.

Na entrevista, o ex-ministro da Educação disse que ele foi chamado de covarde por ter fugido para os Estados Unidos para não ser preso pelo STF. A Corte nunca chegou a determinar a prisão dele, mas Weintraub via essa possibilidade. Ele tinha passado a ser investigado por ataques feitos em 2020 ao STF. Em maio daquele ano, o então ministro da Justiça André Mendonça, que hoje é ministro do STF, pediu à Corte a suspensão da investigação, o que foi negado pela Corte.

— Eu vou contar um outro detalhe picante. Moro numa casa, num condomínio fechado, uma casa boa. Um juiz do STF estava procurando casa na região, dentro do condomínio. Viu a minha casa e falou: "Pô, casa bonita, hein, de quem é?" Falaram: "Abraham Weintraub." "Pergunta para ele se não quer vender para mim" — disse Weintraub na entrevista, continuando:

— "Não tá a venda." "Pergunta se quer vender para mim, já que ele não vai mais voltar ao Brasil." O que acha disso? É adequado?

O entrevistador do programa diz então que isso é grave. Weintraub responde:

— Isso é grave? E todo o resto que falamos aqui? É anedótico. É piada pronta.

O STF já julgou e negou alguns habeas corpus de Weintraub. Esses julgamentos tiveram a participação de todos os ministros do STF, exceto Moraes, porque os pedidos questionavam decisões tomadas por ele no "inquérito das fake news".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos