Algumas tarifas à China do governo Trump não “têm propósito estratégico”, diz Yellen

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Kanishka Singh

WASHINGTON (Reuters) - A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, disse neste domingo que algumas tarifas impostas à China pelo governo do ex-presidente Donald Trump não têm “propósito estratégico”, e acrescentou que o presidente Joe Biden está as revisando para tentar reduzir a inflação nos EUA.

Outra autoridade do governo Biden, a secretária de Energia, Jennifer Granholm, acrescentou que o presidente também está avaliando suspender o imposto federal sobre o gás como uma opção para baixar os preços.

Os comentários das autoridades neste domingo acontecem no momento em que o governo Biden sofre para lidar com a inflação e o preço recorde da gasolina.

“O presidente Biden está revisando a política tarifária relacionada à China”, disse Yellen, em entrevista neste domingo com a ABC News.

“Todos reconhecemos que a China se envolve em uma série de práticas comerciais desleais, com as quais é importante lidar, mas as tarifas que herdamos, algumas não têm propósito estratégico e aumentam o custo aos consumidores”, acrescentou.

Yellen não listou tarifas específicas e se recusou a dizer quando o governo Biden pode tomar uma decisão sobre o assunto.

Biden disse em 2018 e 2019 que estava considerando retirar algumas tarifas impostas por seu predecessor sobre centenas de bilhões de dólares de bens chineses, em meio a uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

(Reportagem de Kanishka Singh, em Washington)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos