Aliada a Lira, deputada petista derrota candidato oficial do PT em eleição para cargo no comando da Câmara

JULIA CHAIB, RANIER BRAGON E DANIELLE BRANT
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A deputada Marilia Arraes (PT-PE) foi eleita nesta quarta-feira (3) para ocupar a segunda-secretaria da Mesa da Câmara, o que representa uma derrota política do próprio partido e uma vitória do grupo ligado ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). Em votação secreta, a pernambucana ganhou a disputa no segundo turno contra o deputado João Daniel (PT-PE), que foi indicado oficialmente pelo PT. Ela teve 192 votos contra 168 de Daniel. Embora seja petista, Marília é vista dentro do partido como uma parlamentar mais ligada a Lira, que foi apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A resistência de nomes do PT à deputada vem desde a campanha pela presidência da Câmara. Parlamentares petistas dizem que Marília negociou o voto em Lira em troca da indicação à Mesa Diretora. Oficialmente, o PT integrou o bloco de apoio a Baleia Rossi (MDB-SP), que perdeu ainda em primeiro turno para Lira. Para tentar eleger seu candidato oficial, o PT contava com a palavra de líderes partidários, incluindo os do centrão, que em reunião na véspera asseguraram voto nos candidatos oficiais lançados pelas legendas. Com a vitória da parlamentar pernambucana, 3 dos 7 cargos da direção da Mesa da Câmara serão ocupados por mulheres, sendo duas negras (uma autodeclarada preta e outra autodeclarada parta), feito inédito. Além de Marília, a terceira-secretaria ficou com Rose Modesto (PSDB-MS). Já a quarta-secretaria com Rosângela Gomes (Republicanos-RJ). Outros cargos também foram definidos nesta quarta. A vice-presidência da Câmara ficou com Marcelo Ramos (PL-AM). A segunda-vice com André de Paula (PSD-PE), ambos integrantes do centrão e aliados de Lira. Já a primeira-secretaria, que é uma espécie de "prefeitura" da Câmara, responsável por todas as principais decisões administrativas, será ocupada pelo presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), hoje rompido com Bolsonaro. A cúpula da Câmara é formada pela presidência, 1ª e 2ª vice-presidências, 1ª, 2ª, 3ª e 4ª secretarias. Esses cargos são distribuídos proporcionalmente ao tamanho dos blocos formados para a disputa da presidência. O 1º vice-presidente da Câmara fica responsável por analisar os requerimentos de informação a outros órgãos do poder público. O 2º vice avalia pedidos de reembolso de despesas médico-hospitalares dos deputados e também atua como uma ponte institucional com os Legislativos estaduais e municipais. Já o 1º secretário, espécie de "prefeito da Câmara", fica a cargo dos serviços administrativos. O 2º tem como função cuidar das relações internacionais da Casa, o que inclui a emissão de passaportes para os deputados e o estágio universitário. O 3º secretário analisa requerimentos de licença e justificativas de falta apresentados por parlamentares e também é responsável pela autorização prévia de reembolso de despesas com passagens aéreas internacionais. Por fim, o 4º secretário monitora o sistema habitacional da Casa.