Aliado de Bolsonaro, Ibaneis Rocha decreta toque de recolher no DF com multa de R$ 2 mil

·1 minuto de leitura
Secretário de Saúde, Francisco Araújo, e o governador Ibaneis Rocha, em visita ao hospital de campanha montado na Arena Mané Garrincha, no DF. (Foto: Renato Alves/Agência Brasília)
Secretário de Saúde, Francisco Araújo, e o governador Ibaneis Rocha, em visita ao hospital de campanha montado na Arena Mané Garrincha, no DF. (Foto: Renato Alves/Agência Brasília)

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretou toque de recolher entre 22h e 5h. O decreto já foi publicado e passa a valer na noite desde segunda-feira, 8. Quem sair de casa no período está sujeito a multa de R$ 2 mil.

Ibaneis Rocha é aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), abertamente contra o lockdown e restrições de mobilidade.

O texto afirma que todos os moradores do DF deverão ficar em casa, “ressalvado o deslocamento realizado, em caráter excepcional, para atender a eventual necessidade de tratamento de saúde emergencial, ou de aquisição de medicamentos em farmácias".

Leia também:

A decisão foi tomada pelo aumento de casos e coronavírus na capital federal. Desde o dia 28 de fevereiro já havia restrições de funcionamento de serviços não essenciais. Esse decreto acabaria em 15 de março e foi prorrogado até 27. Segundo informações do G1, na segunda-feira, durante a madrugada, a ocupação de leitos de UTI chegou a 100%.

Os únicos lugares para os quais se pode ir ao longo da madrugada são hospitais, clínicas médicas e veterinárias, farmácias, postos de gasolina e funerárias. Serviços de delivery podem funcionar até às 23h, mas o pedido deve ser feito até às 22h.

Algumas categorias profissionais estão fora do toque de recolher, como servidores públicos, sejam eles civis ou militares, agentes de segurança provada, profissionais de saúde que estiverem trabalhando, membros do Poder Judiciário, do Ministério Público, das Policiais Civis e Militares, Bombeiros, advogados em diligência de cumprimento de alvarás de soltura e representantes eleitos dos Poderes Legislativo e Executivo.