Aliado de ministra do Turismo já foi preso após ser flagrado por câmeras, armado, em ameaça a empresário

Acusado de comandar uma milícia, Fábio Augusto de Oliveira Brasil, o Fabinho Varandão, que pediu votos para a ministra do Turismo, Daniela Carneiro (União Brasil), circula com homens armados por Belford Roxo e ameaça empresários que tentam oferecer serviços de internet. A informação consta da investigação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio (MPRJ) que o levou à prisão, em dezembro de 2018.

Ele é vereador no município e já foi nomeado pelo prefeito da cidade, Waguinho, marido da ministra, para vários cargos na prefeitura. Até hoje, Varandão é réu na Justiça sob a acusação de comandar um grupo paramilitar que monopoliza o sinal clandestino de TV e internet e a venda de gás de cozinha em dez bairros.

Um empresário que havia acabado de abrir uma empresa de internet em Belford Roxo contou em 2018 à polícia que Fabinho Varandão foi até a sua casa dois anos antes com “seis homens armados”, interrompeu a festa de aniversário de 20 anos de seu filho e o ameaçou. “Brasil, ao chegar, desembarcou do carro com uma pistola na mão e a guardou na cintura”, disse a vítima. Em seguida, o acusado foi até o empresário e disse, segundo o depoimento: “Estou sabendo que você está montando um provedor de internet, está cabeando na minha área, pode tirar tudo que a área é minha”. Depois da ameaça, os convidados da festa foram embora, “diante de tamanho constrangimento”, contou a vítima. O empresário ficou com medo e tirou todo o equipamento do local.

A cena descrita pelo homem foi registrada pelas câmeras de segurança da casa. As imagens mostram quatro pessoas armadas saindo de uma caminhonete e abordando o empresário. O vereador foi reconhecido como um dos homens. Uma testemunha que estava no local corroborou o depoimento da vítima e acrescentou que Fábio ainda teria dito, antes de ir embora: “Se não retirar (os equipamentos), vou matar todos”.

Com base nessas provas, o MPRJ pediu a prisão do acusado, que foi decretada pela juíza Alessandra da Rocha Lima Roidis, da 1ª Vara Criminal de Belford Roxo. Segundo a decisão, “imagens de câmera de segurança revelam que Fabinho Varandão impõe o terror no município, pois circula armado na região e conta com proteção de seguranças”. Na ação que culminou na prisão, a polícia apreendeu duas armas, um colete à prova de balas e R$ 70 mil em espécie em sua casa. Ele responde pelos crimes de extorsão e porte ilegal de arma de fogo.

O vereador foi solto em julho de 2019 e, desde então, responde ao processo em liberdade, precisando comparecer mensalmente ao fórum da cidade. Em 2020, ele foi reeleito como vereador mais votado de Belford Roxo, após fazer campanha junto com Waguinho. As acusações não impediram Varandão de ganhar vários cargos na prefeitura de Belford Roxo após a reeleição. Desde 2021, ele foi nomeado, pelo prefeito, secretário de Defesa Civil, da Pessoa com Deficiência e, em maio do ano passado, de Ciência e Tecnologia.

O GLOBO não conseguiu contato com Fabinho Varandão. No processo, sua defesa alegou que “o fato narrado é absolutamente inverídico” e configura “uma verdadeira injustiça”.