Aliados de Lula esperam dificuldades com a transição

Integrantes da coordenação da campanha vitoriosa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Palácio do Planalto esperam dificuldades para fazer a transição com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). Os petistas acreditam que não haverá colaboração para ter acesso a dados da gestão federal.

Veja os cotados: Governo Lula deve ter 40% mais ministérios para acomodar aliados

Resultados das eleições: Veja o mapa de votação para presidente e governadores

Nesta segunda-feira, Lula e a direção do PT devem começar a discutir a indicação da equipe. Pela lei, o presidente eleito pode indicar uma equipe de 50 pessoas, com um coordenador.

Os cotados para assumir a coordenação da transição são Aloizio Mercadante, responsável pela coordenação do programa de governo, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ou o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB).

No seu primeiro pronunciamento após ser eleito, Lula frisou que o governo não será do PT e sim terá uma composição que represente a frente ampla que o apoiou no segundo turno da disputa.

Os dirigentes não descartam ter que ir à Justiça para poder acessar informações do governo.

Além da formação da equipe de transição, Lula deve fazer ao longo desta segunda-feira conversas com líderes de países estrangeiros. O petista quer definir um calendário de viagens internacionais antes da posse.