Aliados de Marina acreditam que ela se beneficia ao apoiar Lula

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 15.08.2022 - Entrevista com Marina Silva (Rede), que já foi senadora (1995-2011), ministra do Meio Ambiente do Brasil (2003-2008) e candidata à Presidência nas últimas três eleições. Hoje é candidata a deputada federal por São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 15.08.2022 - Entrevista com Marina Silva (Rede), que já foi senadora (1995-2011), ministra do Meio Ambiente do Brasil (2003-2008) e candidata à Presidência nas últimas três eleições. Hoje é candidata a deputada federal por São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Aliados da ex-ministra Marina Silva (Rede) avaliam que a reaproximação com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não beneficia apenas o ex-presidente. Eles apostam em um impulso na candidatura dela após a declaração de apoio ao petista, por associação.

Pesquisas internas mostravam a ambientalista em terceiro lugar entre os candidatos a deputado federal na nominata da federação entre Rede e PSOL no estado. Aparecem na frente o líder do MTST Guilherme Boulos e a deputada Luiza Erundina, ambos do PSOL.

Marina oficializou na segunda-feira (12) o seu apoio a Lula, após uma intensa campanha de aliados de ambos. Na ocasião, afirmou acreditar que o petista é quem reúne melhores condições para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) neste ano.

Ainda assim, a forma com o anúncio aconteceu surpreendeu até mesmo os interlocutores mais próximos. Alguns de seus conselheiros souberam do encontro que antecedeu o anúncio pelas redes sociais de Lula.

A principal bandeira da ex-ministra, citada como modelo por ela, é a Autoridade Nacional de Segurança Nuclear.

O órgão, criado pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), é uma rara medida da atual gestão elogiada por cientistas. A ex-ministra quer que sirva de parâmetro para criar uma agência que monitore a emissão de gases de efeito estufa.