Aliança antigoverno diz que almeja depor governo da Etiópia

·1 min de leitura
Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, na cidade etíope de Jimma

Por Humeyra Pamuk e Maggie Fick

WASHINGTON/NAIRÓBI (Reuters) - Uma aliança recém-formada de facções etíopes disse nesta sexta-feira que pretende depor o primeiro-ministro Abiy Ahmed à força ou negociando e formar um governo de transição.

O governo da Etiópia repudiou a aliança, que viu como um golpe publicitário, e disse que alguns grupos nela têm um histórico de violência étnica.

A aliança foi anunciada por líderes de facção em Washington, apesar dos apelos de líderes africanos e ocidentais por um cessar-fogo na guerra, na qual o governo central enfrenta a Frente de Libertação do Povo Tigré (TPLF), sediada no norte, e seus aliados.

Como as forças rebeldes ameaçam avançar sobre a capital Adis Abeba, nesta sexta-feira o Exército etíope pediu que ex-militares voltem às suas fileiras para combatê-las, disse a mídia estatal.

Como mais um sinal da preocupação internacional crescente, a embaixada dos Estados Unidos aconselhou todos os cidadãos norte-americanos a deixarem a Etiópia o mais cedo possível.

"O ambiente de segurança na Etiópia é muito fluído", disse a embaixada em um comunicado.

A guerra de um ano já matou milhares de pessoas e expulsou mais de 2 milhões outras de suas casas, tendo se intensificado nas últimas semanas.

Ao anunciar a formação da Frente Unida de Forças Federalistas e Confederadas Etíopes em um evento em Washington, a aliança disse que está montando um comando para coordenar seus esforços militares e políticos.

(Por Humeyra Pamuk em Washington e Maggie Fick em Nairóbi; reportagem adicional de George Obulutsa em Nairóbi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos