Aliança entre Bolsonaro e Trump pode influenciar eleição brasileira em 20222, diz New York Times

·2 min de leitura
U.S. President Donald Trump shakes hands with Brazilian President Jair Bolsonaro before attending a working dinner at the Mar-a-Lago resort in Palm Beach, Florida, U.S., March 7, 2020. Picture taken March 7, 2020. REUTERS/Tom Brenner
Presidente Jair Bolsonaro e Donald Trump durante encontro em março de 2020, nos Estados Unidos (Foto: REUTERS/Tom Brenner)
  • The New York Times publicou reportagem sobre como aliança entre Bolsonaro e Trump pode influenciar a eleição de 2022

  • Segundo o jornal, Trump e Steve Bannon estão exportando estratégias usadas nos Estados Unidos para Bolsonaro

  • Eduardo Bolsonaro também foi citado na reportagem

Mesmo fora da presidência dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump pode ser um importante aliado para Jair Bolsonaro (sem partido) na corrida presidencial brasileira em 2022. Essa é a conclusão de uma reportagem publicada pelo jornal The New York Times na última quinta-feira (11).

A matéria foi intitulada como “A conexão Bolsonaro-Trump ameaça as eleições do Brasil” e afirma que os números de Bolsonaro estão caindo, por isso ele já estaria “questionando a legitimidade da eleição do próximo ano. E ele está recebendo ajuda dos Estados Unidos”.

Segundo a publicação, o ex-presidente dos Estados Unidos e aliados dele estão exportando as estratégias usadas por eles para “a maior democracia da América Latina, trabalhando para ajudar o sr. Bolsonaro para chegar à reeleição no próximo ano”.

O New York Times descreve que Bolsonaro tenta imputar aos rivais as pechas de “criminosos” e “comunistas”, além de usar as redes sociais para divulgar notícias falsas.

“Para o presidente brasileiro, que se vê em um isolamento cada vez maior no mundo, além de ser impopular também em casa, o apoio dos americanos é um reforço bem-vindo”, diz a reportagem, que ainda cita Steve Bannon, ideólogo de Trump e responsável pela estratégia do republicano em 2020.

Papel de Eduardo Bolsonaro

The son of Brazilian President Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, leaves after a meeting with U.S. President Donald Trump at the White House in Washington, U.S., August 30, 2019. REUTERS/Yuri Gripas
The New York Times chamou atenção para atuação de Eduardo Bolsonaro junto aos conservadores (Foto: REUTERS/Yuri Gripas)

O jornal ainda lembra da relação próxima entre Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente e deputado federal, e Bannon. O 03 é o responsável por organizar a CPAC no Brasil, a conferência de conservadores, já tradicional nos Estados Unidos.

“Ele então emergiu como o principal elo de ligação do Brasil com a direita americana, visitando os Estados Unidos várias vezes por ano para se reunir com Trump, Jared Kushner (conselheiro e genro de Trump), senadores republicanos e um grupo de analistas de extrema-direita e teóricos da conspiração”, descreve o jornal.

Segundo o New York Times, o jornal procurou as famílias de Trump, Bolsonaro e também Steve Bannon, mas não obteve retorno.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos